• Sex. Jun 14th, 2024

Principais legisladores dos EUA convidam Netanyahu de Israel ao Congresso em meio à guerra em Gaza

Byadmin

Jun 1, 2024

O primeiro-ministro israelense deve discursar ao Congresso, apesar da crescente raiva pelos abusos de seu governo em Gaza.

Os principais legisladores dos Estados Unidos emitiram um convite formal ao primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, para fazer um discurso ao Congresso, na mais recente demonstração de apoio a Israel em meio à guerra em Gaza.

O convite dos líderes republicanos e democratas no Senado e na Câmara dos Representantes na sexta-feira ocorreu no momento em que o Tribunal Penal Internacional considera emitir um mandado de prisão para Netanyahu por alegados crimes de guerra.

“Para desenvolver a nossa relação duradoura e destacar a solidariedade da América com Israel, convidamo-lo a partilhar a visão do governo israelita para defender a democracia, combater o terrorismo e estabelecer uma paz justa e duradoura na região”, dizia a carta.

Não especificou uma data para o discurso.

A carta foi assinada pelo presidente da Câmara, Mike Johnson, pelo líder democrata da Câmara, Hakeem Jeffries, pelo líder da maioria no Senado, Chuck Schumer, e pelo líder da minoria republicana, Mitch McConnell.

Se aceitar o convite, Netanyahu ultrapassará o falecido antigo primeiro-ministro britânico Winston Churchill como o líder estrangeiro que fez o maior número de discursos numa sessão conjunta do Congresso.

Churchill – que liderou o seu país durante a Segunda Guerra Mundial e ajudou a derrotar a Alemanha nazi – e Netanyahu dirigiram-se ao Congresso em três ocasiões distintas.

Netanyahu tem enfrentado a indignação global pelos aparentes abusos de Israel em Gaza, onde os militares israelitas mataram mais de 36.000 pessoas e destruíram grandes partes do território.

Israel também impôs um bloqueio estrito a Gaza, levando o território à beira da fome.

O governo de Netanyahu desafiou os seus aliados ocidentais, incluindo os Estados Unidos, este mês ao lançar um grande ataque em Rafah, no sul de Gaza, onde quase 1,5 milhões de palestinianos estavam abrigados. A ofensiva deslocou um milhão de palestinianos.

Um bombardeamento israelita contra um campo de deslocados em Rafah, no início deste mês, matou 45 palestinianos e provocou indignação internacional.

Mas o Congresso dos EUA continua firmemente pró-Israel, embora alguns Democratas tenham criticado cada vez mais Netanyahu.

Em Março, Schumer apelou a novas eleições em Israel e descreveu Netanyahu como um obstáculo à paz, citando a oposição do primeiro-ministro israelita à solução de dois Estados.

O convite do Congresso na sexta-feira provocou a ira dos defensores dos direitos palestinos. A atriz Cynthia Nixon chamou isso de “vergonhoso” em uma postagem nas redes sociais dirigida a Schumer.

“Talvez Netanyahu possa ser preso por seus crimes de guerra no plenário do Senado”, escreveu ela.

Na sexta-feira, o presidente dos EUA, Joe Biden, delineou uma proposta que, segundo ele, levaria a um cessar-fogo “duradouro” em Gaza.

O plano de três fases prevê a libertação de prisioneiros israelenses no território, bem como de centenas de prisioneiros palestinos detidos em Israel, disse Biden.

A iniciativa, que Biden disse ter sido apresentada por Israel, marca uma mudança na posição da administração dos EUA, que apenas procurava uma trégua temporária, ao mesmo tempo que apoiava o objectivo de Israel de eliminar o Hamas.

“O presidente Biden entende que deixar esta guerra se arrastar muito além de sua eleição não será algo que realmente funcione politicamente para ele”, disse o analista palestino-americano Omar Baddar à Al Jazeera.

“É incrivelmente caro e prejudicial para ele, e acho que é por isso que ele está pisando forte neste momento e exercendo enorme pressão sobre Israel para aceitar o acordo de cessar-fogo.”



Source link

By admin

Related Post

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *