• Qui. Jun 13th, 2024

“Somos odiados”: israelenses se sentem isolados por causa da guerra em Gaza

‘Somos odiados’: israelenses se sentem isolados por causa da guerra em Gaza

A greve atraiu condenações de Istambul a Pequim e de Washington a Paris.

Jerusalém:

Uma série de reveses diplomáticos, a forte condenação de um recente ataque em Gaza e os intensos protestos nos campi ocidentais fizeram com que os israelitas sentissem que o seu país está injustamente isolado.

Os israelitas esperavam o apoio inabalável dos seus aliados e da comunidade internacional após o ataque do Hamas em 7 de Outubro.

Mas à medida que a ofensiva retaliatória de Israel contra o Hamas em Gaza se aprofundou, parece ter perdido a simpatia que inicialmente recebeu após o ataque sem precedentes.

Esta perda de apoio intensificou-se após o ataque israelita da semana passada a um campo de deslocados palestinianos em Rafah, que matou pelo menos 45 pessoas, segundo autoridades de Gaza. Os militares negaram ter como alvo o campo.

A greve atraiu condenações de Istambul a Pequim e de Washington a Paris.

Na plataforma de mídia social Instagram, mais de 47 milhões de postagens com a hashtag “Todos os olhos em Rafah” foram registradas desde o ataque.

Mas os israelitas continuam desafiadores, apesar do crescente isolamento.

“Não acho que Israel deveria se importar com o que o mundo tem a dizer… Apoio 100 por cento nossos militares”, disse Netanel Aronson, um israelense-americano de 24 anos, à AFP.

“Rezo por eles todos os dias para que estejam seguros e voltem para casa.”

– ‘Tragédia para todos’ –

Pelo menos 36.379 palestinos, a maioria civis, foram mortos em Gaza em bombardeios israelenses e em ofensivas terrestres desde 7 de outubro, segundo o Ministério da Saúde no território controlado pelo Hamas.

A campanha de retaliação de Israel ocorreu depois que o ataque do Hamas resultou na morte de 1.189 pessoas em Israel, a maioria civis, de acordo com uma contagem da AFP baseada em números oficiais israelenses.

Os militantes também fizeram 252 pessoas como reféns, das quais 121 ainda estão detidas em Gaza, incluindo 37 que os militares afirmam estarem mortas.

“É uma tragédia para todos”, disse Nathalie, que se recusou a revelar o seu apelido, referindo-se também ao destino dos palestinianos na Faixa de Gaza.

“Como todos estão conectados, podemos ver o que está acontecendo. Sentimos que somos odiados”, disse o homem de 50 anos.

“Temos a sensação de que somos acusados ​​de ser colonialistas e imperialistas. Mas nos vemos como refugiados”, acrescentou ela, ecoando o sentimento de muitos judeus que chegaram durante a criação de Israel em 1948.

Os palestinos chamam a criação de Israel de Nakba – ou “catástrofe” – quando cerca de 760 mil palestinos fugiram ou foram forçados a abandonar suas casas pela guerra pela criação de Israel.

No mês passado, Israel enfrentou uma série de reveses diplomáticos.

Enquanto o Tribunal Internacional de Justiça ordenava a Israel que parasse a sua ofensiva em curso em Rafah, o procurador-chefe do Tribunal Penal Internacional solicitou mandados de prisão para o Primeiro-Ministro Benjamin Netanyahu e o Ministro da Defesa Yoav Gallant, juntamente com três altos líderes do Hamas.

Irlanda, Noruega e Espanha também reconheceram um Estado palestiniano numa decisão coordenada na terça-feira, enquanto o parlamento da Eslovénia deverá votar tal proposta na próxima semana.

– Mundo ‘contra Israel’ –

A analista política Dahlia Scheindlin disse que os israelitas estavam conscientes de que a guerra estava a prejudicar a sua posição global.

“(Os israelenses) acham que o mundo está contra Israel. Eles acham que muitas instituições e países são anti-semitas e que existe um duplo padrão”, disse Scheindlin.

Ela lamentou o impacto “devastador” da guerra sobre os habitantes de Gaza, mas disse que os israelitas vêem a campanha militar em curso como uma “luta existencial” para o seu povo.

Scheindlin disse que os israelenses ficaram desmoralizados com os reveses nos tribunais internacionais depois que Israel foi acusado de cometer alguns dos piores crimes em Gaza.

Tais crimes “os israelenses acreditavam que só foram cometidos contra eles”, acrescentou ela.

“Então é muito difícil para eles aceitarem isso. Eles temem o isolamento.”

Os israelenses também estão se opondo à campanha nas redes sociais “Todos os Olhos em Rafah”, com a sua própria campanha que diz “Se seus olhos estão em Rafah, então ajude-nos a encontrar os reféns”.

Num inquérito realizado pelo Pew Research Center, com sede nos EUA, antes do ataque de 26 de Maio a um campo de pessoas deslocadas em Rafah, 40 por cento dos israelitas pensavam que o país iria “definitivamente” alcançar os seus objectivos de guerra em Gaza.

Apenas quatro por cento da maioria judaica considerou que a resposta militar de Israel no território palestiniano tinha ido “longe demais”.

Mas para cristãos como Annie Dikbikian, a guerra apenas aumentou “o ódio” de ambos os lados.

“Isso está nos afetando… como cristãos”, disse o cabeleireiro radicado em Jerusalém, que espera que “a paz, o amor e o respeito” retornem em breve.

(Exceto a manchete, esta história não foi editada pela equipe da NDTV e é publicada a partir de um feed distribuído.)

Source

By admin

Related Post

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *