• Ter. Jun 25th, 2024

Universidades versus protesto: uma carta de um ex-aluno inferior

Byadmin

Jun 1, 2024

Sempre estivemos aqui. Na universidade mobilizando a polícia na perseguição ao pensamento anticolonial. Nas suspensões e “conversas” com professores anti-coloniais, na prisão dos dissidentes conscienciosos e na proxenetização de conceitos de anti-racismo e forçando-os a servir a violência colonial. Ao apropriar-se da luta contra o anti-semitismo, forjada de Varsóvia até Crown Heights, para fazer dela um escudo humano para a conquista dos colonos, de modo que mesmo o partido político repleto de negadores do Holocausto, que ainda ontem estavam espalhando o medo sobre George Soros, “judeus os lasers” e a “elite bancária” podem ser perfeitamente reformulados como cruzados contra o anti-semitismo.

Não me surpreende que a minha, como dizem, alma mater, seja um campus central na batalha entre as universidades e os protestos. Também não estou surpreso que meus mentores e orientador de dissertação permaneçam na mira do poder dos colonos.

Como muitos, escolhi a Universidade de Columbia para fazer pós-graduação não por causa de sua estatura na Ivy League ou de sua ilustre reputação; e certamente não por causa da “admissão herdada”. Eu sabia pouco sobre essas coisas.

Escolhi a escola que tinha os acadêmicos mais perigosos, de acordo com uma lista gerada pelo famoso “direitista” David Horowitz, que inverti e usei como “Guia das Melhores Faculdades dos EUA”.

Se o homem que iria difamar os protestos “Não consigo respirar” como uma “farsa racial” pensasse que um professor ou escola era “perigoso” para a sua causa, eu estava lá. Quais foram os programas acadêmicos mais odiados por aqueles que banalizam o nosso linchamento? Inscreva-me. Quem foram seus professores mais odiados nos programas de mestrado e doutorado? Procurei-os como meus conselheiros.

Aquela multidão que faz campanha pelo analfabetismo político e histórico, que leva a verdade ao esquecimento e que puniu estudantes negros e proibiu livros em plantações, prisões e conselhos escolares, sempre apontará os nossos sábios com os seus forcados.

Eu sou dos outros ex-alunos. Os alunos da segunda classe. Daqueles que não podem ameaçar reter doações, a menos que se reprima rapidamente a revolta de Soweto. Os antigos tokens que você recrutou para a página web e que, ao que parece, não são apenas sorrisos silenciosos que existem apenas em brochuras como provas de progresso em Diversidade, Equidade e Inclusão. Aqueles que não se aplacam com os jogos de “descolonização do currículo” e veem a sua inclusão escondida em pele de cordeiro. Quem não são os destinatários pretendidos dos seus e-mails em massa garantindo a todos que a dissidência está contida.

O objectivo da educação nunca foi reivindicar os louros de uma instituição, mas sim ser vista como perigosa para o tipo de pessoas que tentam pintar a brutalização dos colonizados como uma farsa racista. Não foi trabalhar pensando para que um dia alguém pudesse ter a sorte de ser arrastado pelas instituições na esperança de obter um cargo, uma bolsa invejável e um quarto com vista.

Não é esperar pela prometida segurança de posse e, com estes documentos de emancipação em mãos, começar a dizer a verdade. Não é esperar que uma administração universitária lhe dê flores, o que se revelaria indistinguível de Bull Connor no momento em que se descobrisse que os estudantes acreditam que “a descolonização não é um problema”. metáfora”.

O objetivo da educação não é apenas interpretar o seu mundo, mas desfazê-lo. Para abalar as suas bases genocidas e a facilidade com que “o necessário bombardeamento massivo do sector nativo” é engolido por todos. Ou seja, é ser aquilo que os colonizadores chamariam de “perigoso”.

Tem havido um mal-entendido intencional sobre o estudante colonizado que é ordenado pelos bilionários a voltar às aulas, para parar de agir como privilegiado e insubordinado, para abrir os seus livros escolares em Africâner e aprender a aceitar “ambos os lados” dos seus bombardeamentos.

Na Colômbia de 68, na França de 68, Rhodes Must Fall e em outros lugares, a polícia, os políticos, os diretores estão sempre de braços dados e dizendo à classe de Sarafina para não ser malcriada. Se foram as narrativas dos etnólogos do século XIX sobre a docilidade dos nativos ou as narrativas dos meios de comunicação contemporâneos sobre a docilidade adequada do protesto pacífico que os convenceram de que isso os calaria, não posso dizer.

Mas estes estudantes não se limitaram a ler um poema de Nikki Giovanni ou de Mahmoud Darwish e “acordaram demasiado”, como afirmam os apologistas do apartheid. Não apenas tropeçamos em Frantz Fanon, Assata Shakur ou Edward Said e dissemos a nós mesmos: “Espere um minuto, isso pode ser uma injustiça”.

Somos das pessoas que podem ser atacadas. Que são forçados a assistir aos tumultos raciais que chegam ao quarteirão da nossa família em Tulsa, ou Washington, DC, ou às nossas casas em Lydd ou Huwara, e são informados de que a nossa hemorragia não é o principal. Que nossos bombardeios pertencem às notas de rodapé. Que devemos reconhecer o direito de existência do País do Homem Branco. Que se trata de operações de segurança firmes. Que está a caçar os terroristas Mau Mau. Que não devemos nos importar com os campos, as vítimas, os gritos da multidão de linchadores. Não é limpeza étnica.

Mas o que estamos a testemunhar, desde George Floyd até Gaza, é que os colonizados não são intimidados, nem cobardes, nem, de facto, colonizados. Que não assinamos nenhum tratado que nos ordene a entrar suavemente na boa noite do nosso extermínio. E que não reconhecemos ninguém que o faça em nosso nome.

O que o poder branco não consegue é que não concordamos, não cedemos território, vimos todos os seus Dylann Roofs e Lothar von Trothas e David Ben-Gurions – os nativos, os negros, os não documentados não irão a lugar nenhum .

Então nos encontramos. No previsível cume deste momento de colonizador versus colonizado – em todo o lado. Não importa o quão ruidosamente a mídia colonial lamente que o fascismo tenha retomado o controle do “Ocidente”, ou que a “democracia” tenha passado por momentos difíceis no “Sul Global”, nós, que não somos publicados, que não somos questionados sobre como nos sentimos , as classes de segunda classe, os banidos, que viram o anti-racismo que inventámos, sem surpresa, virado contra nós, ainda estão aqui. Aqui, pelo motivo de ter visto Selma apenas para se tornar Selma.

Sempre estivemos aqui. Contra todos os pogroms. Contra todas as Kristallnachts, todos os Nakbas, todos os bombardeamentos de Setif, todas as prisões nativas, todos os caminhos encurralados de lágrimas. Nenhuma fantasia supremacista ou puritana jamais se materializará. O futuro não é perseguido. É anticolonial. Pertence às reservas, aos bairros e aos bairros indígenas. E toda ideologia da supremacia branca enferrujada, renovada e reciclada terminará onde pertence.

Não existe uma solução definitiva para o problema colonial. Nem mesmo DEI.

As opiniões expressas neste artigo são do próprio autor e não refletem necessariamente a posição editorial da Al Jazeera.

Source link

By admin

Related Post

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *