• Ter. Jun 25th, 2024

Crianças não alimentadas, milhares partilham uma casa de banho em Gaza: Oxfam

Crianças desnutridas, milhares compartilham um banheiro: Oxfam alerta sobre “condições terríveis” em Gaza

Mais de um milhão de pessoas fugiram de Rafah, disse UNRWA (Arquivo)

Paris:

Os palestinianos deslocados pela guerra em Gaza vivem em condições “terríveis”, com as crianças por vezes a passarem um dia inteiro sem comida e milhares a partilharem a mesma casa de banho, alertou a Oxfam na terça-feira.

Nas últimas semanas, bombardeamentos e combates mortais israelitas ocorreram na área de Rafah, no extremo sul da Faixa de Gaza, perto da fronteira egípcia, deslocando novamente aqueles que fugiram para lá em busca de segurança.

Mais de um milhão de pessoas fugiram de Rafah para outras áreas, segundo a agência da ONU para os refugiados palestinos, UNRWA.

A Oxfam disse que estima-se que mais de dois terços da população de Gaza esteja amontoada em menos de um quinto do território sitiado.

“Apesar das garantias israelenses de que seria fornecido apoio total às pessoas em fuga, a maior parte de Gaza foi privada de ajuda humanitária, à medida que a fome se aproxima”, disse a agência humanitária.

“Um inquérito alimentar realizado por agências humanitárias em Maio revelou que 85 por cento das crianças não comeram durante um dia inteiro, pelo menos uma vez nos três dias anteriores à realização do inquérito”, acrescentou.

Desde que as tropas israelitas lançaram o seu ataque terrestre a Rafah, em 6 de Maio, entraram em média oito camiões de ajuda por dia, disse a Oxfam, citando dados da ONU.

Embora se estima que centenas de food trucks comerciais entrem diariamente, os produtos a bordo incluem bebidas energéticas não nutritivas, chocolate e biscoitos, e muitas vezes são muito caros, acrescentou.

“Quando a fome for declarada, será tarde demais”, disse a diretora da Oxfam para o Médio Oriente e Norte de África, Sally Abi Khalil.

“Obstruir toneladas de alimentos para uma população desnutrida enquanto bebe bebidas com cafeína e chocolate é repugnante”.

Numa entrevista à televisão francesa na semana passada, o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, rejeitou as alegações de fome em Gaza, dizendo que tudo tinha sido feito para evitar a fome.

Os habitantes de Gaza comiam 3.200 calorias por dia ou 1.000 a mais do que a necessidade diária, disse ele.

‘Forçado a confiar no mar’

A Oxfam disse que famílias em algumas partes do sul de Gaza, como a zona costeira de Al-Mawasi, designada como “zona humanitária” pelo exército israelita, quase não dispõem de serviços de água ou saneamento.

“As condições de vida são tão terríveis que em Al-Mawasi existem apenas 121 latrinas para mais de 500 mil pessoas – ou 4.130 pessoas que têm de partilhar cada casa de banho”, disse a Oxfam.

Meera, um funcionário da Oxfam em Al-Mawasi que foi deslocado sete vezes desde outubro, descreveu as condições ali como “insuportáveis”.

“Não há acesso a água potável e as pessoas são forçadas a depender do mar”, disse ela.

Na segunda-feira, o esgoto inundou um campo de deslocados em Khan Yunis depois que um cano de águas residuais rompeu, disse um repórter da AFP, com alguns tentando retirar a sujeira de suas tendas usando garrafas plásticas.

A guerra foi desencadeada pelo ataque sem precedentes do Hamas a Israel, em 7 de Outubro, que resultou na morte de 1.194 pessoas, a maioria civis, segundo um balanço da AFP baseado em números oficiais israelitas.

Os militantes também fizeram 251 reféns, 120 dos quais permanecem em Gaza, incluindo 41 que o exército afirma estarem mortos.

A ofensiva retaliatória de Israel matou pelo menos 36.550 pessoas em Gaza, também a maioria civis, de acordo com o Ministério da Saúde do território administrado pelo Hamas.

(Exceto a manchete, esta história não foi editada pela equipe da NDTV e é publicada a partir de um feed distribuído.)

Source

By admin

Related Post

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *