• Dom. Jun 23rd, 2024

Estudioso sobre perdão na África do Sul pós-apartheid ganha Prêmio Templeton

Byadmin

Jun 4, 2024

(RNS) — Como psicóloga que trabalhava para a Comissão da Verdade e Reconciliação da África do Sul na década de 1990, Pumla Gobodo-Madikizela ficou chocada quando um punhado de viúvas se apresentou para perdoar o assassino dos seus maridos, o infame assassino e comandante da polícia Eugene de Kock.

Agente do apartheid que admitiu mais de 100 atos de assassinato e tortura, os crimes de De Kock lhe renderam o apelido de “Prime Evil”. As ações confusas das viúvas levaram Gobodo-Madikizela a investigar mais profundamente o tema do perdão, levando-a eventualmente a concluir que o perdão consiste em desejar e acreditar na capacidade de transformação de uma pessoa.

“Você também está trazendo algo ao mundo, para que algo mude”, disse Gobodo-Madikizela em um comunicado em vídeo. “A morte do seu ente querido dá origem a outra coisa.”

Após décadas de pesquisa sobre trauma e perdão, Gobodo-Madikizela, professor da Universidade Stellenbosch, na África do Sul, foi nomeado o vencedor do Prêmio Templeton de 2024 na terça-feira (4 de junho). O prêmio homenageia indivíduos que utilizam os avanços científicos para responder às questões mais profundas relacionadas à existência e ao propósito da humanidade.

O prêmio foi estabelecido pelo falecido investidor e filantropo Sir John Templeton e vem com um prêmio de 1,1 milhão de libras esterlinas (mais de US$ 1,3 milhão). Gobodo-Madikizela é a segunda mulher africana a receber o prémio desde o seu lançamento em 1973, depois da vencedora de 2023, Edna Adan Ismail.

“Como psicóloga, académica e comentadora, ela serviu de guia na África do Sul, à medida que traça um caminho para além do apartheid, facilitando o diálogo para ajudar as pessoas a superar traumas individuais e colectivos”, disse Heather Templeton Dill, presidente da Fundação John Templeton. , disse em um comunicado à imprensa. “Seu trabalho ressalta a importância na vida contemporânea de cultivar os valores espirituais de esperança, compaixão e reconciliação.”

Vencedor do Prêmio Templeton de 2024, Pumla Gobodo-Madikizela, na Cidade do Cabo, África do Sul. (Foto de Stefan Els, Universidade Stellenbosch)

Gobodo-Madikizela, 69 anos, nasceu em 1955 em Langa, um município designado para residentes negros nos arredores da Cidade do Cabo, na África do Sul. Embora os seus primeiros anos tenham sido marcados pela brutalidade do apartheid – ela lembra-se de se esconder dos tanques que circulavam pela sua cidade – os seus pais, que geriam um armazém geral, incutiram-na desde cedo valores de compaixão e integridade.

Esses valores inspiraram o trabalho de Gobodo-Madikizela na década de 1990, quando presidiu ao Comité de Violações dos Direitos Humanos no escritório da Comissão da Verdade e Reconciliação no Cabo Ocidental. Foi nessa qualidade que ela se encontrou com de Kock na prisão em 1997 para obter o seu testemunho.

Ao longo de três meses, ela ouviu seus relatos sobre os assassinatos explícitos que cometeu e suas expressões de remorso. Essas conversas agora famosas são recontadas no premiado livro de Gobodo-Madikizela de 2003, “A Human Being Died That Night”, que explora a capacidade da humanidade para o mal, a virtude e a mudança, e são imortalizadas numa peça com o mesmo nome.



A investigação de Gobodo-Madikizela sobre o perdão e o trauma na África do Sul pós-apartheid culminou no seu desenvolvimento da “busca reparadora”, um modelo de cura social.

Segundo Gobodo-Madikizela, o rompimento e a reparação das relações humanas é um processo inerentemente espiritual. “Quando as pessoas ficam traumatizadas, há uma ruptura na ligação espiritual entre nós como seres humanos”, disse ela numa declaração em vídeo. “E assim, quando são criadas condições para reparar a ruptura, apelamos ao espiritual, à poderosa ligação espiritual da humanidade com outro ser humano – osso do meu osso, espírito do meu espírito – que nos acena para nos conectarmos a esse nível. Há algo naquele momento que tem o poder de uma presença.”

Hoje, Gobodo-Madikizela dirige o Centro para o Estudo da Vida Após a Morte da Violência e da Busca Reparativa na Universidade de Stellenbosch e é catedrático de pesquisa em histórias violentas e traumas transgeracionais para a população sul-africana. Fundação Nacional de Pesquisa. Ela já recebeu o Prêmio Harry Oppenheimer Fellowship e o Prêmio de Mudança Social da Universidade de Rhodes.



Source link

By admin

Related Post

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *