• Dom. Jun 16th, 2024

ADN diz que Pacto para Migrações é medida eleitoralista do Governo – Observador Feijoada

ByEdgar Guerreiro

Jun 5, 2024

A cabeça de lista do ADN às eleições europeias, Joana Amaral Dias, acusou esta quarta-feira, no Porto, o Governo de medida eleitoralista e de não resolver o essencial com o anúncio do Plano de Ação para as Migrações.

Em declarações à Lusa antes de uma arruada na Rua de Santa Catarina, a candidata considerou que as 41 medidas anunciadas pelo executivo de Luís Montenegro não resolvem o essencial da questão, a “corrupção”.

“As 41 medidas que o Governo propõe não respondem ao essencial do problema. Tem uma linha apenas sobre o que é coração deste problema: as máfias de exploração de mão de obra humana, aos gangues de mão de obra escrava que continuam a operar no Mediterrâneo e noutras rotas, que são organizações não governamentais subsidiadas e, talvez, até patrocinadas por todos nós”, denunciou Joana Amaral Dias.

Insistindo que o Governo “apresentou este plano [das Migrações] apenas para tentar secar as forças partidárias que têm lutado há muito tempo contra esta situação calamitosa”, a cabeça de lista assinalou que a “imigração em Portugal atingiu — e o Porto tem sido duramente atingido com isso — proporções e modos absolutamente inaceitáveis”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Neste rol de críticas, Joana Amaral considerou ainda: “Há uma dita esquerda que diz ‘entrem todos, entrem todos’, mas depois o que vemos é as pessoas a serem deixadas em condições infra-humanas, a viver ao relento.”

Outro foco da arruada foi “denunciar mais uma mentira da Europa que é a inflação, provocada pelo Banco Central Europeu (BCE) e que está a esmagar os povos europeus, sendo os portugueses os mais castigados por esse imposto cego”, disse.

“O BCE, entre 2020 e 2022, aumentou o seu saldo em quatro biliões de euros. Criou um enorme esquema piramidal, imprimiu notas como se não houvesse amanhã. Esta é uma inflação provocada, propositada, é um trabalho de engenharia financeira”, criticou a candidata.

E prosseguiu: “Não é verdade que a inflação tenha sido provocada pela guerra na Ucrânia, os preços já tinham subido muito antes. Entre 2020 e 2022 o petróleo já tinha subido cerca de 340%”.

Joana Amaral Dias recusou, depois, a eventual participação de militares portugueses na guerra na Ucrânia.

“Não queremos enviar os nossos filhos para a guerra para que depois voltem em caixões. As elites, o Sebastião Bugalho, a Marta Temido, a [Ursula] Von der Leyen falam do topo porque nunca são os filhos das elites que vão ser carne para canhão, são sempre os filhos do povo que vão ser destroçados e voltar sem vísceras e sem a alma”, enfatizou a candidata.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *