• Sáb. Jun 15th, 2024

Mike Lynch, magnata da tecnologia do Reino Unido, é absolvido de fraude

Byadmin

Jun 6, 2024

Mike Lynch, um magnata britânico do software que já foi um dos executivos-chefes mais célebres de seu país, foi absolvido de fraude na quinta-feira no tribunal federal de São Francisco, inocentando-o das acusações de ter liderado uma das maiores fraudes na indústria de tecnologia.

Um júri considerou-o inocente de inflacionar falsamente as receitas da Autonomy, a empresa que fundou e liderou, quando a vendeu à Hewlett-Packard por 11 mil milhões de dólares em 2011.

Lynch, 58 anos, que enfrentou décadas de prisão, foi inicialmente acusado de 16 acusações de fraude e conspiração, embora uma acusação de fraude tenha sido rejeitada.

O veredicto de quinta-feira, ocorrido após um julgamento de meses na Califórnia, é um marco na odisséia de uma década de Lynch para limpar seu nome.

HP adquiriu autonomia, pagando um prémio de 60% sobre o preço das suas ações, numa tentativa de se transformar num fornecedor de software de elevado crescimento. Mas logo surgiram questões sobre os números da Autonomy, e em pouco tempo o pioneiro da tecnologia baseado na Califórnia tomou uma decisão Encargos contábeis de US$ 8,8 bilhões sobre a aquisição, citando “sérias impropriedades contábeis”. O preço das ações da HP despencou.

Posteriormente, a empresa acusou o Sr. Lynch e seus tenentes de fornecer informações enganosas sobre as finanças da empresa.

Na altura, os investidores consideraram a aquisição da Autonomy um dos piores negócios da história e um ponto de viragem no declínio da HP como ícone líder da indústria tecnológica.

Também manchou a reputação de Lynch, que ascendeu das origens da classe trabalhadora fora de Londres aos auge da indústria britânica. Fabricante de software de análise de dados, a Autonomy tornou-se uma das maiores histórias de sucesso tecnológico da Grã-Bretanha. Em 2011, Lynch foi nomeado conselheiro científico de David Cameron, o primeiro-ministro na época, e diretor da BBC.

Lynch argumentou que os executivos da HP, incluindo Meg Whitman, a executiva-chefe que o demitiu, o culpavam pela má gestão da Autonomy.

Em 2018, promotores federais americanos acusaram Lynch de fraude, acusações que o executivo negou consistentemente.

As chances de uma absolvição só diminuíram com o passar dos anos. O diretor financeiro da Autonomy, Sushovan Hussain, foi condenado por acusações semelhantes e cumpriu pena de prisão. E em 2022, um juiz de Londres que supervisionou um julgamento civil contra Lynch – um caso descrito como “um dos mais longos e complexos da história jurídica inglesa” – considerou-o responsável por fraudar a HP. (A HP pediu cerca de US$ 4 bilhões em indenização; Lynch argumentou que não deve nada.)

No ano passado, Lynch perdeu uma luta para evitar a extradição para os Estados Unidos. Ele foi levado para São Francisco e confinado em uma casa sob vigilância 24 horas por dia e segurança privada determinada pelo tribunal, às suas custas.

No julgamento na Califórnia, que começou em meados de março, os promotores argumentaram que Lynch era a “força motriz” por trás de uma fraude complicada em que as vendas de hardware foram indevidamente classificadas como de software para aumentar as receitas e os contratos foram retroativos. Stephen Chamberlain, ex-vice-presidente de finanças da Autonomy, também foi julgado por acusações semelhantes.

O Sr. Lynch, que se pronunciou em sua defesa, testemunhou que não estava envolvido nas operações financeiras do dia-a-dia da Autonomy e que delegou muitas tarefas.

Os jurados levaram cerca de dois dias para chegar ao veredicto, declarando Lynch e Chamberlain inocentes de todas as acusações.

“Estou exultante com o veredicto de hoje e grato ao júri pela sua atenção aos factos durante as últimas 10 semanas”, disse Lynch num comunicado. “Estou ansioso para voltar ao Reino Unido e voltar para o que mais amo: minha família e inovar em minha área.”

Source link

By admin

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *