• Ter. Jun 25th, 2024

Whizz quer possuir o espaço de assinatura de entrega de bicicletas elétricas, começando por Nova York

Byadmin

Jun 6, 2024
Mãos em um laptop Apple aberto exibindo o software de gerenciamento do Whizz.

A cidade de Nova York, lar de mais de 60.000 entregadores, tem reprimido as e-bikes baratas e não certificadas, o que resultou em bateria dispara através da cidade.

Alguns fornecedores de bicicletas elétricas podem considerar essas regulamentações um problema para os negócios. Mas o início da assinatura de e-bike Whiz vê isso como uma oportunidade.

“Acho que o mercado está passando de um Velho Oeste para um mercado maduro”, disse Mike Peregudov, CEO e cofundador da Whizz, ao TechCrunch. “Temos sorte de estar aqui neste momento porque depois que todas as regulamentações acontecerem, será muito difícil entrar neste mercado.”

A startup com sede em Nova York afirma oferecer aos trabalhadores acesso a e-bikes seguras e de alta qualidade por entre US$ 139 e US$ 149 por mês. Os mensageiros do Grubhub e DoorDash, parceiros oficiais da Whizz em Nova York, podem acessar assinaturas e esquemas de aluguel próprio com 15% de desconto. As assinaturas incluem serviço, manutenção, proteção antirroubo e muito mais.

Fundada em 2022, a Whizz arrecadou esta semana US$ 12 milhões para construir mais bicicletas elétricas, começar a produzir ciclomotores elétricos e expandir além de Nova York para outras cidades, incluindo Boston, Chicago, Miami, Filadélfia e Washington, DC. A rodada foi dividida em US$ 5 milhões em patrimônio liderado pela Leta Capital e US$ 7 milhões em dívidas da Flashpoint VC.

Em última análise, Whizz quer lançar em todo o país. No curto prazo, a startup pretende gerenciar 40.000 e-bikes na área de Nova York nos próximos três anos, acima das 2.500 e-bikes que a Whizz implantou atualmente em Nova York e Jersey City.

Existem poucos participantes no espaço de assinatura de bicicletas elétricas nos EUA. O principal concorrente do Whizz é Zoom, uma startup australiana com presença em Nova York e em algumas cidades europeias. Os custos de assinatura do Zoomo, em média, são de cerca de US$ 49 por semana ou pouco menos de US$ 200 por mês. Entregadores Uber Eats consiga um negócio melhor por US$ 24 por semana ou pouco menos de US$ 100 por mês. A Zoomo também trabalha com clientes empresariais para fornecer frotas inteiras.

A falta de interrupção na área de assinatura de bicicletas elétricas pode significar que Whizz está em uma posição perfeita para obter a vantagem de ser o pioneiro. Ou pode significar que o modelo de assinatura da bicicleta elétrica é difícil de acertar.

Outros voltados para o consumidor assinaturas de micromobilidade em Nova York vêm e vão, como Oferta de aluguel de scooters eletrônicos da Beyond e cobrando a tentativa da empresa de infraestrutura Revel de uma assinatura de bicicleta elétrica. E como vimos nos muitos fracassos de empresas de micromobilidade compartilhada como Pássaro e Superpedestre, hardware como serviço (HaaS) é um negócio com alto gasto de capital. Isso nem sempre corresponde ao aspecto mais atraente das assinaturas: um preço acessível. A combinação das duas forças opostas traduz-se muitas vezes em margens inexpressivas.

Por outro lado, as assinaturas têm o benefício de receitas repetidas, que podem ser aproveitadas para melhorar as margens, desde que a empresa mantenha as operações enxutas e eficientes.

Whizz diz que é aqui que ele pode brilhar. A startup contou com seu software proprietário que agiliza as operações e uma cultura de inicialização para crescer 3,5x ano após ano e atingir uma receita recorrente anual (ARR) de mais de US$ 8 milhões em maio. ARR é uma projeção de receita para o ano com base no número de clientes atuais e esperados.

Peregudov também diz que Whizz terá EBITDA positivo em dois a três meses e totalmente lucrativo em nove meses.

O CEO e seus cofundadores vieram da Rússia para Nova York há alguns anos, depois de fundar e vender negócios baseados em assinaturas. Peregudov construiu o Partiya Edy, um serviço de entrega de kits de refeição, e vendeu para Yandex em 2019 por US$ 25 milhões. Seus cofundadores – Alex Mironov, Ksenia Proka e Artem Serbovka – construíram e venderam uma plataforma de assinatura de bicicletas elétricas, Moy Device, para uma empresa de private equity na Rússia.

“Nunca arrecadamos centenas de milhões e acho que neste tipo de negócio isso pode ser perigoso”, disse Peregudov. “Vimos empresas que levantaram US$ 100 milhões e depois tentaram escalar rapidamente. Este negócio não é sobre blitzscaling.”

Usando software para melhorar a economia da unidade

O software da Whizz gerencia o back-end para ajudar a startup de assinatura de bicicletas elétricas a obter forte economia unitária.
Créditos da imagem: Whiz

Peregudov diz que a parte mais importante dos negócios da Whizz é seu sistema proprietário de “gerenciamento de recursos empresariais” (ERP), o software que alimenta o back-end e protege os ativos da Whizz. O CEO diz que este software ajuda a Whizz a cortar custos em 35%, atingir uma taxa de utilização da frota de 85% e “melhorar as margens em cada etapa”.

O software fornece análises sobre tudo, desde quanto tempo leva para concluir um reparo até como a IoT pode ajudar a gerenciar a logística do armazém, desde informações sobre todas as bicicletas e clientes no sistema até o gerenciamento de receitas e pagamentos. O sistema de Whizz pode até mesmo controlar remotamente partes das bicicletas para bloqueá-las caso sejam roubadas.

Outro aspecto do software Whizz é seu modelo de pontuação interna, que a startup usa para garantir o aluguel de bicicletas para pessoas responsáveis. “Este sistema de pontuação é habilitado para IA com mais de 50 parâmetros e é como uma pontuação de crédito bancária”, disse Peregudov. “Esses caras são, em sua maioria, imigrantes, e provavelmente somos a única empresa no mercado que pode avaliá-los porque os bancos não fazem isso. É por isso que esses caras não têm pontuação de crédito. Nossas bicicletas costumam ser a única opção de transporte acessível para eles.”

E-bikes, baterias e serviços de qualidade

Cofundadores da Whizz (da esquerda para a direita): Alex Mironov;  Artyom Serbovka;  Ksenia Proka;  Mike Peregudov
Cofundadores da Whiz (da esquerda para a direita): Alex Mironov, Artem Serbovka, Ksenia Proka e Mike Peregudov
Créditos da imagem: Whiz

As e-bikes da Whizz também são projetadas internamente especificamente para atender trabalhadores de entrega de alimentos. Peregudov afirma que as bicicletas são confiáveis ​​o suficiente para percorrer até 1.600 quilômetros por mês e possuem baterias grandes para permitir que os entregadores dirijam mais e, assim, ganhem mais. As baterias, diz ele, são certificadas pela UL e construídas com células Samsung.

Os trabalhadores de shows em Nova York podem visitar um dos cinco centros da Whizz para pegar bicicletas e consertá-las ou substituí-las em 30 minutos ou menos. Os centros estão localizados em Midtown, Union Square, Harlem e Brooklyn, com um quinto chegando esta semana em Jersey City.

A Whiz também afirma que oferece atendimento ao cliente em seis idiomas: inglês, espanhol, francês, turco, árabe e russo.
O maior obstáculo nos planos futuros da Whizz é o fato de suas bicicletas e baterias serem todas montadas na China. A administração Biden anunciou recentemente novas tarifas sobre as importações chinesas, incluindo bicicletas elétricas e baterias, que estarão sujeitas a uma Aumento de preço de 25%. Peregudov diz que não está preocupado porque a Whizz possui sua propriedade intelectual e pode transferir a produção para um novo parceiro na Índia ou no Vietnã.

O modelo da Whizz pode ser dimensionado nos EUA?

Embora o mercado de assinaturas de bicicletas elétricas voltado para trabalhadores de entregas ainda seja novo, não é uma garantia de que Whizz será capaz de crescer nos EUA. Zoomo, o operador histórico, por assim dizer, tem uma presença respeitável na Europa, mas sua participação no mercado nos EUA diminuiu recentemente. A startup oferecia seus serviços em São Francisco, mas fechou lá em 2022. Zoomo não respondeu ao TechCrunch para explicar o que deu errado.

A estratégia de expansão da Whizz é dupla: percorrer a Costa Leste antes de expandir nacionalmente e oferecer novos formatos para alcançar uma gama mais ampla de trabalhadores de entrega.

A última rodada de financiamento da Whizz ajudará a empresa a avançar, conquistando mais território em Nova York e construindo um novo ciclomotor elétrico. No longo prazo, a startup vê-se potencialmente trazendo veículos elétricos para a plataforma para trabalhadores de entrega que não vivem em cidades amigas da bicicleta, que são poucas e raras nos EUA.

Sergey Toporov, sócio da Leta Capital que liderou a rodada de ações da Whizz, disse que investiu na startup porque ela conseguiu uma grande margem de contribuição em pequena escala.

Toporov observou que a Leta investe principalmente em empresas de software, por isso o sistema ERP da Whizz é o que mais atraiu porque ajudará a empresa a manter-se eficiente e organizada à medida que aumenta a sua frota, clientes e base de funcionários e traz novos tipos de veículos.

“O entusiasmo em torno da micromobilidade e da entrega rápida passou, e a maioria dos VCs migrou para outros setores. No entanto, esforçamo-nos por nos concentrar em empresas com valor comercial fundamental em mercados que não sejam inflacionados por excesso de capital”, disse Toporov. “Acreditamos que Whizz é uma joia escondida que continuará a surpreender o mercado.”

Source

By admin

Related Post

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *