• Sáb. Jun 15th, 2024
‘Foi um erro’: Rishi Sunak pede desculpas por pular o evento do Dia D

Sunak compareceu a um memorial organizado pelos britânicos antes de voltar para casa e perdeu a cerimônia principal. (Arquivo)

Londres, Reino Unido:

O primeiro-ministro britânico, Rishi Sunak, pediu desculpas na sexta-feira por ter saído mais cedo das comemorações do Dia D na França para dar uma entrevista à televisão nacional, no mais recente revés autoinfligido à sua vacilante campanha para as eleições gerais.

Os opositores políticos acusaram Sunak de “um abandono total do dever” ao faltar a uma grande cerimónia internacional com líderes mundiais na quinta-feira, enquanto ele também atraiu críticas dos seus próprios colegas do Partido Conservador.

Sunak compareceu a um memorial organizado pelos britânicos antes de voltar para casa e perdeu a cerimônia principal na praia de Omaha, que contou com a presença do presidente da França, Emmanuel Macron, do presidente dos EUA, Joe Biden, e do líder da Ucrânia, Volodymyr Zelensky.

“Após a conclusão do evento britânico na Normandia, voltei ao Reino Unido”, disse Sunak numa publicação na rede social X.

“Pensando bem, foi um erro não ficar mais tempo na França – e peço desculpas.”

Sunak, definhando nas pesquisas e amplamente cotado para perder as eleições gerais de 4 de julho, enviou seu ministro das Relações Exteriores, David Cameron, ao evento, onde foi fotografado ao lado de outros líderes mundiais.

O principal oponente de Sunak nas eleições, o líder trabalhista Keir Starmer, permaneceu e foi fotografado encontrando-se com Zelensky.

Numa publicação no X, Starmer disse ter dito ao presidente ucraniano que “não haverá mudança no apoio da Grã-Bretanha à Ucrânia” se ele se tornar o próximo primeiro-ministro do Reino Unido, como esperado.

Starmer disse aos repórteres que Sunak “teria que responder por suas próprias ações”, acrescentando: “Para mim, não havia outro lugar onde eu estaria”.

Ed Davey, líder do partido Liberal Democrata, disse que Sunak “trouxe vergonha” ao seu gabinete e “decepcionou nosso país”.

‘Sacrifício final’

O ministro dos assuntos dos veteranos do primeiro-ministro, o ex-soldado Johnny Mercer, disse compreender “a indignação” com as ações de Sunak e disse que seu chefe cometeu um “erro significativo”.

O líder conservador Sunak disse em seu post que o aniversário “deveria ser sobre aqueles que fizeram o maior sacrifício pelo nosso país”.

“A última coisa que quero é que as comemorações sejam ofuscadas pela política”, escreveu ele.

“Preocupo-me profundamente com os veteranos e tive a honra de representar o Reino Unido numa série de eventos em Portsmouth e em França nos últimos dois dias e de conhecer aqueles que lutaram com tanta bravura.”

Sunak, 44, voltou para casa para ser questionado pela ITV News em uma entrevista que só vai ao ar na quarta-feira.

Num vídeo divulgado na noite de quinta-feira, ele foi forçado a negar que estivesse disposto a mentir para permanecer no poder.

Os trabalhistas o acusam de mentir ao repetir uma afirmação, contestada por especialistas independentes, de que Starmer aumentaria os impostos em £ 2.000 (US$ 2.600) por família ao longo de quatro anos.

As cerimônias do Dia D marcaram o 80º aniversário do lançamento da Operação Overlord, quando dezenas de milhares de soldados aliados invadiram as praias da Normandia, no norte da França, em 6 de junho de 1944.

A vasta operação militar abriu caminho à libertação da França ocupada e ao fim da guerra contra a Alemanha nazi.

Os comentaristas sugeriram que a decisão de Sunak de perder a cerimônia principal que anunciava a bravura dos soldados mostrava falta de inteligência política.

“É um momento muito importante para o país. Mas também é um momento muito importante para mostrar que você está sendo primeiro-ministro”, disse Craig Oliver, ex-assessor de Cameron, à rádio BBC.

Sunak, um conservador interno nomeado primeiro-ministro em outubro de 2022, convocou a eleição em um discurso encharcado de chuva em Downing Street em 22 de maio.

Desde então, ele visitou o local em Belfast onde o Titanic foi construído, fazendo comparações entre sua liderança e o comando de um navio que estava afundando.

Sunak também foi ridicularizado por perguntar aos galeses se eles estavam ansiosos pelo torneio de futebol do Campeonato Europeu, quando o País de Gales ainda não se classificou.

Os trabalhistas estavam a finalizar o seu manifesto na sexta-feira, com Starmer a confirmar que o reconhecimento do Estado palestiniano como parte de qualquer processo de paz no Médio Oriente seria incluído.

(Exceto a manchete, esta história não foi editada pela equipe da NDTV e é publicada a partir de um feed distribuído.)

Source

By admin

Related Post

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *