• Sáb. Jun 15th, 2024

Rússia prende pesquisador francês suspeito de coletar informações

Byadmin

Jun 7, 2024

O Centro para o Diálogo Humanitário (HD) confirma que Laurent Vinatier, de 47 anos, foi detido em Moscovo e diz que está a trabalhar para garantir a sua libertação.

A Rússia prendeu um cidadão francês que trabalhava para uma organização de mediação de conflitos com sede em Genebra, acusando-o de recolher informações sobre os militares e de não se registar como “agente estrangeiro”.

O Comitê de Investigação do Estado da Rússia disse que o homem era suspeito, durante vários anos, de ter “coletado propositalmente informações no campo das atividades militares e técnico-militares da Federação Russa”, que poderiam ser usadas contra a segurança do Estado.

O comité, que investiga crimes graves, divulgou um pequeno vídeo que mostra um homem de calças de ganga e t-shirt preta a ser abordado por agentes mascarados no terraço de um restaurante no centro de Moscovo antes de ser conduzido para uma carrinha da polícia.

Embora não tenha identificado o homem e tenha desfocado seu rosto no vídeo, a agência de notícias estatal TASS o identificou como Laurent Vinatier.

O Centro para o Diálogo Humanitário (HD), sem fins lucrativos, disse estar ciente de que Vinatier, 47 anos, que trabalhava para o grupo como conselheiro sobre a Rússia e a Eurásia, havia sido preso e estava tentando garantir sua libertação.

“Estamos trabalhando para obter mais detalhes sobre as circunstâncias e garantir a libertação de Laurent”, afirmou o grupo em comunicado.

Entretanto, o presidente francês, Emmanuel Macron, negou que Vinatier trabalhasse para o Estado francês e disse que a sua prisão fazia parte de uma campanha de desinformação levada a cabo por Moscovo.

Segundo as leis russas utilizadas para reprimir os críticos do Kremlin, qualquer pessoa que receba apoio estrangeiro ou que esteja sob “influência estrangeira” deve registar-se como “agente estrangeiro”. A HD foi fundada pelo ex-secretário-geral da ONU, Kofi Annan, e trabalha para abordar e mediar conflitos armados em todo o mundo.

As detenções sob a acusação de espionagem e recolha de dados sensíveis tornaram-se cada vez mais frequentes na Rússia desde que iniciou a invasão em grande escala da Ucrânia em Fevereiro de 2022.

Evan Gershkovich, repórter do Wall Street Journal, foi preso no ano passado sob suspeita de tentar obter segredos militares e acusado de espionagem, o que acarreta uma pena de até 20 anos, e atualmente está sob custódia aguardando julgamento. Os Estados Unidos designaram-no como “detido injustamente” e procuram a sua libertação.

O jornalista russo-americano Alsu Kurmasheva foi preso em outubro passado e aguarda julgamento por acusações que incluem não se registrar como “agente estrangeiro”. Ela também está sob custódia aguardando julgamento.

De acordo com a página de Vinatier no LinkedIn, ele é consultor do Programa Eurásia/Rússia em HD desde março de 2014.

Concluiu o seu doutoramento sobre a diáspora chechena e lecionou sobre relações internacionais e economia política em várias universidades em França e na Europa, bem como escreveu vários livros e capítulos de livros sobre a Rússia, o Cáucaso e a Ásia Central.

A prisão de Vinatier foi anunciada no momento em que a França recebia muitos líderes ocidentais para eventos que marcaram o 80º aniversário do Dia D, na quinta-feira. A Rússia não foi convidada devido à invasão da Ucrânia.

Também ocorre em meio a tensões nas relações entre Moscou e Paris, depois que Macron falou sobre as condições sob as quais a França poderia estar preparada para enviar soldados para a Ucrânia, e Kiev disse que a França concordou em enviar instrutores militares ao país.

Moscovo alertou que os soldados franceses seriam alvos legítimos da Rússia se fossem enviados para a Ucrânia.

Source link

By admin

Related Post

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *