• Sex. Jun 14th, 2024

Ucrânia inicia ataques em solo russo com armas dos EUA

Byadmin

Jun 7, 2024

A Ucrânia pode ter percebido os primeiros benefícios de poder atacar o território russo com armas ocidentais na semana passada.

Nos dias 26 e 27 de maio, a França e a Alemanha afirmaram que estavam a permitir que a Ucrânia utilizasse as suas armas contra alvos em solo russo, após a nova ofensiva da Rússia contra Kharkiv, em 10 de maio.

Fontes dos EUA disseram à imprensa em 30 de maio que os EUA estavam a permitir que a Ucrânia utilizasse as suas armas “para fins de contra-fogo em Kharkiv”.

Isso sugeria que a Ucrânia só estava autorizada a disparar contra uma posição de origem do fogo recebido, mas não a usar a sua inteligência para atingir preventivamente sistemas de armas e concentrações de tropas.

“Esta ambiguidade dos EUA perde uma oportunidade de dissuadir os preparativos russos para operações ofensivas noutros locais além da fronteira, no norte da Ucrânia”, afirmou o Instituto para o Estudo da Guerra, um grupo de reflexão com sede em Washington.

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskyy, relatou na semana passada concentrações de tropas ao norte da cidade ucraniana de Sumy.

O primeiro ataque declarado da Ucrânia em solo russo com armas ocidentais, na sexta-feira passada, pode ter sido baseado num mal-entendido destas restrições.

“As Forças de Defesa da Ucrânia atacaram a travessia de ferry de Kerch com ATACMS [US Army Tactical] mísseis, que foram usados ​​ativamente pelo inimigo para proteger o seu agrupamento de tropas na Crimeia temporariamente ocupada”, anunciou o Estado-Maior da Ucrânia.

(Al Jazeera)

A travessia de ferry de Kerch fica no lado russo do Estreito de Kerch, que separa a Crimeia da região russa de Krasnodar Krai – longe de Kharkiv, que fica adjacente à região russa de Belgorod.

A Ucrânia alegou ter “danificado significativamente dois ferries que transportavam transportes ferroviários e automóveis” e ter perturbado a logística militar.

Os EUA também afirmaram que não estavam a permitir que a Ucrânia utilizasse o seu ATACMS com alcance de 300 km (186 milhas) na Rússia – apenas em territórios ocupados, essencialmente na Crimeia, que se estende até 300 km (186 km) das linhas da frente ucranianas em alguns locais.

O próximo ataque relatado da Ucrânia em solo russo com uma arma dos EUA parece ter ocorrido na área designada.

O embaixador da Alemanha no Reino Unido expressou restrições semelhantes às dos EUA, dizendo que a Ucrânia poderia “defender-se” contra ataques na região de Kharkiv a partir do território fronteiriço russo.

O Reino Unido e a França, que foram os primeiros a levantar as restrições ao uso de armas, não divulgaram publicamente tais restrições. A Alemanha e os EUA têm sido tipicamente mais conservadores, e a Alemanha fez questão de nunca ultrapassar os EUA na ajuda militar.

No fim de semana, a Ucrânia atingiu um complexo de defesa aérea russo S-300 ou S-400 em Belgorod usando sistemas de foguetes do exército de alta mobilidade (HIMARS). Imagens geolocalizadas mostraram dois lançadores destruídos e um posto de comando danificado.

Assim que o tema das restrições geográficas foi abordado, os aliados da Ucrânia começaram a deixar claras as suas posições sobre o uso dos F-16, que deverão começar a ser entregues neste verão.

INTERATIVO - QUEM CONTROLA O QUE NO LESTE DA UCRÂNIA copy-1717685246
(Al Jazeera)

O ministro das Relações Exteriores da Dinamarca, Lars Lokke Rasmussen, disse que não haveria restrições ao uso de caças F-16 que está dando à Ucrânia para atacar alvos dentro da Rússia.

A ministra da Defesa dos Países Baixos, Kajsa Ollongren, enviou uma mensagem semelhante em 3 de junho.

“Assim que o entregarmos à Ucrânia, ele poderá ser usado por eles”, disse ela ao Politico.

A Holanda prometeu 24 F-16 à Ucrânia até o outono. A Dinamarca deve entregar seus aviões neste verão.

Estas posições contrastam fortemente com a posição da Bélgica, cujo primeiro-ministro Alexander De Croo disse que a Ucrânia não pode usar os F-16 belgas ou outras armas para atingir a Rússia.

A Bélgica tem sido um aliado cauteloso da Ucrânia, em parte para proteger o seu comércio de diamantes, disse Jens Bastian, membro do Instituto Alemão para Assuntos Internacionais e de Segurança, à Al Jazeera.

“Estamos a encontrar cada vez mais casos em que este retrocesso na maturidade está a resultar num conflito aberto e amargo entre os estados da UE”, disse ele.

“Apenas no 12º pacote de sanções [in December 2023] conseguimos resolver a importante questão das receitas do comércio de diamantes, que a Bélgica conseguiu excluir dos pacotes de sanções anteriores.”

A Rússia é a maior mineradora de diamantes do mundo, produzindo 42 milhões de quilates em 2022. A Bélgica abriga o maior mercado de diamantes do mundo.

O presidente russo, Vladimir Putin, respondeu ao levantamento das restrições geográficas com advertências renovadas de que Moscovo não descartou o uso da força nuclear.

“Temos uma doutrina nuclear. Veja o que diz. Se as ações de alguém ameaçam a nossa soberania e integridade territorial, consideramos possível usar todos os meios à nossa disposição”, disse ele aos editores seniores das organizações de notícias ocidentais na quarta-feira.

O porta-voz da Segurança Nacional dos EUA, John Kirby, pareceu minimizar a importância da mudança, dizendo na terça-feira que a Ucrânia sempre teve a capacidade de abater aeronaves russas no espaço aéreo russo, e o fez repetidamente.

Problemas no terreno

O comandante-chefe da Ucrânia, Oleksandr Syrskii, disse que estava enviando reforços para a frente de Kharkiv.

O porta-voz do grupo Khortytsia, Nazar Voloshyn, estimou que 50 a 60 soldados russos eram mortos em Chasiv Yar por dia, e o dobro desse número estava ferido. Ele não ofereceu uma estimativa das baixas ucranianas e a Al Jazeera não pode verificar os números fornecidos por nenhum dos lados.

No entanto, disse Syrskyii, “estas forças não são suficientes agora para proporcionar um ataque em grande escala e um avanço na nossa defesa”.

Na segunda-feira, o Centro de Mídia Militar da Ucrânia disse que cerca de 8.790 soldados russos foram mortos ou feridos na semana anterior, o equivalente a 18 batalhões. O exército também estimou que 103 tanques, 177 veículos blindados de combate e 280 sistemas de artilharia foram destruídos.

A Ucrânia há muito afirma que a Rússia desfruta de uma ampla vantagem de artilharia que chega a atingir 10:1 em alguns pontos.

Um repórter militar russo disse na terça-feira que a Ucrânia desfrutava de uma vantagem de 3-4:1 em drones de visão em primeira pessoa (FPV), que são drones de curto alcance usados ​​para identificar posições inimigas. Ele disse que os drones da Ucrânia “tornaram-se o principal factor de dissuasão bastante eficaz das nossas acções ofensivas durante muitos meses”.

No início deste ano, a Ucrânia disse que construiria um milhão de drones FPV no seu solo. Nas últimas semanas, foi relatado o abate de drones FPV russos a uma taxa de mais de 3.000 a 5.000 por semana.

INTERATIVO-QUEM CONTROLA O QUE NO SUL DA UCRÂNIA-1717685251
(Al Jazeera)

Essa destreza pareceu se estender esta semana ao combate direto entre drones.

O porta-voz do exército ucraniano, Dmytro Pletenchuk, disse que um drone ucraniano derrubou dois drones russos, uma munição ociosa Lancet e um UAV de reconhecimento Orlan-10, pela primeira vez durante esta guerra.

“Esta é uma nova página na história do pequeno combate aéreo nesta guerra”, disse ele.

A Ucrânia também continuou a visar activos russos com os seus drones de longo alcance construídos internamente, que não impõem restrições de utilização.

Há uma semana, o Serviço de Segurança da Ucrânia (SBU) disse ter destruído um sistema de radar de longo alcance Nebo perto de Armyansk, na Crimeia, que teria varrido uma secção de 380 km (236 milhas) da linha da frente sul. No mesmo dia, o seu estado-maior disse que os drones conseguiram atingir um depósito de petróleo em Krasnodar Krai.

A Rússia também atacou a infra-estrutura energética ucraniana num ataque massivo no sábado, que incluiu 47 drones e 53 mísseis. A Força Aérea da Ucrânia disse que derrubou quase todos os drones e 35 mísseis, mas operadores de energia disseram que duas usinas hidrelétricas e duas usinas termelétricas foram seriamente danificadas.

INTERATIVO Refugiados da Ucrânia-1717685240
(Al Jazeera)

Source link

By admin

Related Post

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *