• Sáb. Jun 15th, 2024

Exército de Israel afirma ter resgatado quatro reféns vivos em Gaza

Exército de Israel afirma ter resgatado quatro reféns vivos em Gaza

A guerra Israel-Gaza continua desde 7 de outubro de 2023 (Arquivo)

Os militares israelenses disseram que suas tropas resgataram no sábado quatro reféns israelenses com vida em Gaza, após uma “complexa operação diurna”.

O exército nomeou os reféns resgatados como Noah Argamani, 26, Almog Meir Jan, 22, Andrey Kozlov, 27, e Shlomi Ziv,

Todos os quatro foram sequestrados por militantes do Hamas no festival de música Nova, em 7 de outubro, disseram os militares em comunicado, acrescentando que os quatro foram levados ao hospital e estavam em “boas condições médicas”.

Imagens postadas nas redes sociais pelas autoridades israelenses mostraram Argamani em um reencontro emocionante com seu pai após seu resgate.

Argamani também foi visto sorrindo e falando ao telefone com o presidente Isaac Herzog em imagens transmitidas pela televisão israelense.

O porta-voz do exército israelense, contra-almirante Daniel Hagari, disse que a operação ocorreu em dois edifícios separados “no coração de um bairro civil”.

“Enquanto estavam sob fogo no interior dos edifícios, sob fogo na saída de Gaza, as nossas forças resgataram os nossos reféns”, disse Hagari num comunicado televisionado.

Um soldado israelense ficou “gravemente ferido” na operação, que ocorreu por volta das 11h00 (08h00 GMT), acrescentou.

“A mensagem desta manhã para o Hamas é clara: estamos determinados a trazer de volta para casa todos os reféns.”

O raro resgate ocorre oito meses após o início da guerra com militantes palestinos do Hamas em Gaza.

O ministro da Defesa de Israel, Yoav Gallant, disse no X: “Noa, Almog, Andrey e Shlomi – estamos muito felizes por ter vocês em casa”.

Durante o ataque de 7 de Outubro ao sul de Israel, os militantes fizeram 251 reféns, 116 dos quais permanecem agora no território palestiniano, incluindo 41 que o exército afirma estarem mortos.

O ataque de 7 de outubro resultou na morte de 1.194 pessoas em Israel, a maioria civis, segundo um balanço da AFP baseado em números oficiais israelitas.

Os bombardeamentos retaliatórios de Israel e a ofensiva terrestre em Gaza mataram 36.801 pessoas, também na sua maioria civis, de acordo com o Ministério da Saúde do território administrado pelo Hamas.

– Greve Nuseirat –

Mais cedo no sábado, os militares afirmaram num comunicado separado que as forças estavam a “mirar infra-estruturas terroristas na área de Nuseirat”.

Um hospital de Gaza disse que os ataques israelenses em áreas centrais do território, incluindo o campo de Nuseirat, mataram pelo menos 15 pessoas no sábado.

“Intensos ataques aéreos israelenses na província central deixaram pelo menos 15 mártires e dezenas de feridos que foram levados ao hospital dos Mártires de Al-Aqsa”, disse à AFP o porta-voz da instalação, médico Khalil al-Dakran.

Dakran disse que as vítimas vieram do campo de Nuseirat e arredores, bem como de Deir al-Balah, onde está localizado o hospital.

O Hamas disse num comunicado separado: “Há dezenas de corpos de mártires e feridos caídos no chão, nas ruas e em salas seguras”.

O grupo acrescentou que as forças israelitas estavam envolvidas numa “agressão brutal e selvagem ao campo de Nuseirat”.

O vídeo da AFPTV mostrou espessas nuvens de fumaça subindo para o céu a partir de vários edifícios em Nuseirat.

Outras imagens publicadas online mostraram Kozlov e Meir Jan chegando a Israel e banhistas explodindo em aplausos em Tel Aviv depois que um salva-vidas anunciou que os quatro haviam sido resgatados.

Nas últimas semanas, os militares realizaram intensos ataques aéreos e terrestres em Nuseirat e arredores.

Na quinta-feira, os militares atacaram uma escola que virou abrigo administrada pela agência da ONU de apoio aos refugiados palestinos, também conhecida como UNRWA, que o hospital Al-Aqsa disse ter matado 37 pessoas.

Os militares israelitas reconheceram que conduziram o ataque no campo de refugiados de Nuseirat que tinha como alvo a escola da ONU, dizendo que matou 17 “terroristas” no local.

Em Fevereiro, outra missão de resgate libertou dois reféns, mas o Ministério da Saúde da Faixa de Gaza governada pelo Hamas afirmou que pesados ​​ataques aéreos que acompanharam essa missão mataram cerca de 100 pessoas em Rafah, no sul de Gaza.

(Exceto a manchete, esta história não foi editada pela equipe da NDTV e é publicada a partir de um feed distribuído.)



Source

By admin

Related Post

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *