• Sex. Jun 21st, 2024

Houthis do Iêmen detêm funcionários da ONU e trabalhadores humanitários

Byadmin

Jun 8, 2024

A ONU afirma que está a “buscar todos os canais disponíveis” para garantir a libertação segura do seu pessoal “o mais rapidamente possível”.

O grupo Houthi do Iémen está detendo pelo menos 11 funcionários das Nações Unidas, disse o porta-voz da ONU, Stephane Dujarric, apelando à libertação incondicional dos funcionários.

Dujarric disse na sexta-feira que a ONU estava buscando esclarecimentos dos Houthis sobre o motivo da detenção dos funcionários iemenitas. As duas mulheres e nove homens trabalham para cinco agências diferentes da ONU e para o enviado da ONU para o Iémen.

“Estamos a procurar todos os canais disponíveis para garantir a libertação segura e incondicional de todos eles o mais rapidamente possível”, disse Dujarric, acrescentando que a ONU também deseja ter acesso ao pessoal.

Em uma série de ataques, oficiais de inteligência Houthi armados também detiveram três funcionários do grupo pró-democracia Instituto Nacional Democrático (NDI) financiado pelos EUA e três funcionários de um grupo local de direitos humanos, disseram três funcionários do governo internacionalmente reconhecido do Iêmen à Reuters na sexta-feira. .

A Human Rights Watch (HRW) condenou as detenções, afirmando que a recusa do grupo iemenita em divulgar a localização dos indivíduos detidos “pode equivaler a desaparecimento forçado” ao abrigo do direito internacional.

“Os Houthis deveriam libertar imediatamente quaisquer funcionários da ONU e trabalhadores de outros grupos independentes que tenham detido por causa do seu trabalho humanitário e de direitos humanos e parar de deter arbitrariamente e de fazer desaparecer à força pessoas”, disse Niku Jafarnia, investigador da HRW no Iémen e no Bahrein, num comunicado.

“Essas detenções não só atacam os direitos destes indivíduos, mas também prejudicam o trabalho humanitário e de direitos humanos essencial no Iémen, numa altura em que a maioria dos iemenitas não tem acesso adequado a necessidades básicas como alimentos e água.”

A razão por trás das detenções permanece obscura. Mas a aparente repressão surge num momento de tensões crescentes e de dúvidas sobre a sustentabilidade da relativa calma entre os Houthis e o governo reconhecido internacionalmente.

No mês passado, o governo exigiu que todos os bancos transferissem a sua sede para a cidade de Aden, no sul do país, uma medida que poderá colocar ainda mais pressão económica nas áreas controladas pelos Houthi. Os Houthis controlam a capital Sanaa e apresentam-se como as autoridades legítimas do país.

A Bloomberg News informou na quinta-feira que Washington está tentando bloquear partes importantes de um plano de paz das Nações Unidas que as partes beligerantes no Iêmen adotaram em dezembro, a menos que os Houthis cessem seus ataques ao transporte marítimo internacional.

Desde Novembro, o grupo iemenita tem lançado ataques com drones e mísseis contra navios no Mar Vermelho e no Golfo de Aden, uma campanha que diz ter como objectivo pressionar Israel a pôr fim à sua guerra em Gaza, que já matou mais de 36.000 palestinianos.

Numa declaração na plataforma de redes sociais X, o ministro da Informação do governo do Iémen, apoiado pelos sauditas, Moammar al-Eryani, classificou as detenções como uma “escalada sem precedentes e uma violação flagrante das leis e convenções internacionais”.

Ex-funcionários da Embaixada dos Estados Unidos em Sanaa, que fechou em 2015, também foram detidos e detidos pelos Houthis.



Source link

By admin

Related Post

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *