• Dom. Jun 16th, 2024

Igreja Metodista lamenta a separação da Costa do Marfim do sindicato, já que o levantamento da proibição LGBTQ agita a África

Byadmin

Jun 8, 2024

HARARE, Zimbabué (AP) — Os líderes da Igreja Metodista Unida lamentaram a decisão da semana passada da filial na Costa do Marfim de deixar o sindicato após a decisão da igreja de revogar uma proibição de longa data de LGBTQ+ clero, mas prometeu aceitá-lo.

Os desenvolvimentos foram os mais recentes de uma série de efeitos em cascata na África conservadora, que alberga a grande maioria dos Metodistas Unidos fora dos Estados Unidos, no meio de disputas sobre sexualidade e teologia que abalaram as igrejas Metodistas.

No início de Maio, os delegados na primeira reunião legislativa da Igreja em cinco anos votaram esmagadoramente para remover uma regra que proibia “homossexuais praticantes declarados” de serem ordenados ou nomeados como ministros.

Foi um forte contraste com as Conferências Gerais anteriores da Igreja Metodista Unida, que reforçaram constantemente a proibição e as sanções relacionadas no meio de debates e protestos. A mudança não obriga nem mesmo afirma explicitamente o clero LGBTQ+, mas significa que a Igreja já não os proíbe.

Mas cada igreja membro era livre para decidir por si mesma – e embora alguns bispos fossem a favor da permanência, outros pressionavam pela desfiliação.

Em 28 de maio, a igreja da Costa do Marfim votou pela separação dos Metodistas Unidos. Com mais de 1,2 milhões de membros, a igreja deste país da África Ocidental tem um dos maiores seguidores da denominação no exterior. A Igreja Metodista Unida tem cerca de 5,4 milhões de membros nos Estados Unidos e cerca de 4,6 milhões em África, Europa e Filipinas, segundo dados da Igreja.

Na sua primeira reacção após a votação da semana passada, o Conselho dos Bispos da Igreja disse na quarta-feira que “enquanto lamentamos” a decisão da Costa do Marfim, “comprometemo-nos a trabalhar com eles através do processo de se tornar uma Igreja Metodista Autónoma”.

“Embora não tenhamos todos a mesma opinião em todas as coisas, a força da nossa ligação é o amor, o respeito, a compaixão e um compromisso partilhado com a fé em Jesus Cristo”, afirmou o conselho num comunicado.

Noutras partes de África, centenas de membros da Igreja Metodista Unida reuniram-se na sede local da igreja na capital do Zimbabué, Harare, na quinta-feira passada para protestar contra a decisão da igreja de acolher membros LGBTQ+.

Cantavam canções religiosas, seguravam cartazes com mensagens dizendo que a homossexualidade é um pecado e uma abominação.

“África não está à venda. Não à homossexualidade”, dizia um cartaz segurado por uma mulher idosa. O membro da Igreja, James Kawaza, lembrou à reunião que “a homossexualidade é ilegal no Zimbabué”.

“A igreja alinhou-se com o Movimento Arco-Íris, e isto é também uma ameaça às nossas tradições africanas e à existência humana em geral”, dizia uma petição de membros da igreja, apelando ao seu bispo Eben Nhiwatiwa para agir.

Nhiwatiwa não estava disponível para comentar.

As denominações cristãs do Zimbabué – e outras em África – têm-se manifestado veementemente contra quaisquer medidas para acolher gays na igreja.

Em Janeiro, os bispos católicos de África e de Madagáscar emitiram uma declaração unificada recusando-se a seguir uma declaração do Papa Francisco que permitia aos padres oferecer bênçãos a casais do mesmo sexo, afirmando que tais uniões são “contrárias à vontade de Deus”.

Chester Samba, Diretor da GALZ, que representa a comunidade LGBTQ+ no Zimbabué, disse não ter tanta esperança de que o Zimbabué e grande parte do continente mudem a sua posição conservadora.

“Espero que sejam criadas e apoiadas plataformas de diálogo para melhorar a compreensão, para que todos possam ser bem-vindos no local de culto, independentemente da orientação sexual”, disse Samba, cujos membros têm sido alvo de assédio e estigmatização ao longo dos anos.

___

O redator da Associated Press, Farai Mutsaka, em Harare, Zimbábue, contribuiu para este relatório.

___

Notícias da AP África:

Source link

By admin

Related Post

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *