• Sáb. Jun 15th, 2024

A estrela do atletismo americana mais dominante também é a mais misteriosa

Byadmin

Jun 10, 2024

Acompanhe nossa cobertura das Olimpíadas antes dos Jogos de Paris.


A vitória estava bem garantida quando Sydney McLaughlin-Levrone dobrou a esquina antes da reta final no Icahn Stadium, em Nova York. Ela superou a corrida de 400 metros no Grande Prêmio de Nova York no domingo e acabou com qualquer esperança para os outros sete corredores em campo. Tudo o que restou foi fazer Sanya Richards-Ross suar.

McLaughlin-Levrone declarou antes da corrida que almejava o recorde americano. E ao deslizar pelos últimos 100 metros, resistindo ao vento de Manhattan, ela quase conseguiu. Ela marcou 48,75 segundos, pouco menos que o recorde nacional de Richards-Ross de 48,70, estabelecido em 2006.

“Tão perto”, disse McLaughlin-Levrone aos repórteres depois. “Mas quer saber, está tudo bem. Há muito tempo para fazer isso. É sempre uma questão de refiná-lo e aprender a corrida.”

Foi o tempo mais rápido de alguém nesta temporada nos 400 metros – na primeira vez que ela competiu nesta disciplina em 11 meses. Este nem é o melhor evento dela. Foi a segunda vez em três finais de semana que McLaughlin-Levrone competiu em um evento que não era sua especialidade e saiu com o melhor tempo do mundo neste ano.

Domingo foi mais uma prova de como McLaughlin-Levrone poderia fazer o que quisesse no universo do sprint. Tanto é verdade que a inclinação natural é querer que ela faça tudo.

No domingo, ela surpreendeu na corrida de 400 metros – sua primeira vez competindo nesta disciplina em 11 meses. Há três fins de semana, no Grande Prêmio de Los Angeles, ela correu os 200 metros rasos em 22,07 segundos – três décimos de segundo melhor que o tempo de duas semanas antes e o segundo melhor tempo do mundo neste ano. Antes deste mês de maio, por Atletismo Mundialela não corria os 200 metros desde 2018.

Atualmente, ela está escalada para um evento nas seletivas olímpicas dos EUA no final deste mês: os 400 metros com barreiras, dos quais detém o recorde mundial. Ela é a atual campeã olímpica do evento, e seu confronto com Femke Bol, da Holanda, promete ser uma das batalhas de velocidade mais fascinantes de Paris.

Mas assistir McLaughlin-Levrone em uma corrida é como circular apenas um quarteirão em um carro alugado de luxo. É como tomar apenas uma bola do seu sorvete favorito.

Ela provavelmente estará em um revezamento em Paris também. Mas a raridade dela só gera demanda. Ela é sem dúvida a mais dominante e também a mais misteriosa. Embora definitivamente esteja entre as mais talentosas, ela também está entre as mais criteriosas.

Ela tem as qualidades de uma grande artista de todos os tempos, com potencial para realizar feitos divinizantes. Mas uma das mulheres mais rápidas do mundo está a executar uma busca paciente pela glória histórica.

Seu desempenho no Grande Prêmio de Nova York pode gerar pressão para adicionar os 400 metros aos 400 com barreiras nas provas e buscar a dobradinha. As corridas de 400 metros são distribuídas pelos três primeiros dias das seletivas olímpicas – realizadas de 21 a 30 de junho no Hayward Field da Universidade de Oregon – com as barreiras começando no dia 7. Nas Olimpíadas de Paris, as eliminatórias, semifinais e finais de cada evento ocorre em dias alternados, de 4 a 9 de agosto.

Ela disse que se fizesse algo maluco em Nova York, isso poderia levá-la a adicionar os 400 metros nas provas.

“Não acho que consideraria isso uma loucura”, disse ela aos repórteres, exibindo seu sorriso de um milhão de watts.

Um duplo não é isento de riscos. Uma lesão nos 400 metros colocaria em risco sua melhor prova, os 400 metros com barreiras — prova final das provas. Ela já perdeu o campeonato mundial em agosto por causa de uma lesão. Além disso, ela nunca correu os 400 metros planos sob a pressão de interesses internacionais. A primeira vez nas Olimpíadas seria um desafio assustador.

Mas McLaughlin-Levrone é tão cativante que nos faz desejar mais da lenda viva. Um dos rostos da New Balance, é uma atleta modelo, tão conhecida pelo seu carácter e afabilidade como pela sua velocidade.

Sha’Carri Richardson pode acabar sendo o maior nome do atletismo e ela tem uma personalidade vibrante que combina com sua explosividade. Noah Lyles tem um magnetismo semelhante. Ele dominou a corrida de 200 metros (19,77 segundos) no Grande Prêmio de Nova York.

Mas McLaughlin-Levrone é uma superestrela por direito próprio. Sua graciosidade saudável tem seu próprio apelo. Sua presença limitada aumenta a demanda. E seu estilo de corrida suave é de tirar o fôlego.

Ela tem duas medalhas de ouro em Tóquio, uma nos 400 metros com barreiras e outra nos 4×400 metros com barreiras. Uma repetição do desempenho lhe daria quatro medalhas de ouro poucos dias após seu 25º aniversário.

Carl Lewis detém o recorde americano com nove medalhas de ouro no atletismo. Allyson Felix totalizou 11 medalhas, sendo sete de ouro, em sua ilustre carreira – o máximo para qualquer atleta de atletismo. Quando McLaughlin-Levrone terminar, ela poderá ser a atleta olímpica mais condecorada da história do atletismo americano.

É por isso que, embora os fãs das pistas adorassem vê-la mais, sua coreografia dessa longa peça é interessante. Ela participou de cinco eventos em 2024 e disputou cinco modalidades. Tudo isso é apenas uma preparação para os 400 metros com barreiras, trabalhando nos vários elementos para atingir o pico a tempo de defender sua coroa na preparação para as provas. Mas, ao fazer isso, ela apenas flexibilizou a variedade de suas opções.

Não é uma ideia maluca para ela tentar a dobradinha de 400 metros em Paris e depois dar meia-volta e tentar a dobradinha de 200 metros/100 metros em Los Angeles em 2028. Ela poderia ir para a dobradinha de 100 metros com barreiras ou até mesmo trocar para os 800 metros se ela quisesse. Ela é tão boa.

McLaughlin-Levrone está participando de sua própria corrida. Trocadilho intencional. Num desporto onde os elogios se traduzem em receitas, num país onde o estrelato nas pistas tem uma vida útil, ela parece não ter interesse em colocar a sua grandeza no micro-ondas. Ela está em um caminho focado e meticuloso e seu talento obscurece o horizonte. E a escassez de sua presença significa que esses lampejos de brilho devem ser saboreados.

(Foto de Sydney McLaughlin-Levrone cruzando a linha de chegada no domingo em Nova York: Dustin Satloff / Getty Images)



Source link

By admin

Related Post

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *