• Ter. Jun 25th, 2024

Índia dá as boas-vindas à adesão do Egito, Irã, Emirados Árabes Unidos, Arábia Saudita e Etiópia ao BRICS

Byadmin

Jun 10, 2024 #BRICS, #preocupar
Índia dá as boas-vindas à adesão do Egito, Irã, Emirados Árabes Unidos, Arábia Saudita e Etiópia ao BRICS

A Rússia assumiu a presidência do BRICS durante um ano em 1º de janeiro de 2024.

Moscou:

A Índia deu as boas-vindas na segunda-feira de todo o coração ao Egito, Irã, Emirados Árabes Unidos, Arábia Saudita e Etiópia que se juntaram aos BRICS, enquanto seus representantes participaram pela primeira vez de uma reunião importante do grupo organizada pela Rússia.

O diplomata sênior Dammu Ravi liderou a delegação indiana na Reunião de Ministros das Relações Exteriores do BRICS em Nizhny Novgorod, no oeste da Rússia.

“Uma reunião significativa no formato da família BRICS ampliada. A Índia dá as boas-vindas de todo o coração aos novos membros”, postou o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Randhir Jaiswal, no X.

A reunião de segunda-feira foi a primeira reunião ministerial após a expansão do BRICS em 2023, quando o Egipto, a Etiópia, o Irão, a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos se juntaram ao Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul como membros de pleno direito do BRICS.

Dammu Ravi, Secretário (Relações Econômicas) do MEA, liderou a delegação indiana na Reunião dos Ministros das Relações Exteriores do BRICS em Nizhny Novgorod, disse.

Normalmente, o Ministro dos Negócios Estrangeiros participa nessas reuniões. Como S Jaishankar foi reconduzido como Ministro das Relações Exteriores apenas na segunda-feira, após a cerimônia de posse do primeiro-ministro Narendra Modi no domingo, ele não pôde comparecer à Rússia para participar da reunião.

Uma declaração conjunta emitida após a reunião disse que os ministros das Relações Exteriores do BRICS reafirmaram seu compromisso de fortalecer o quadro da Parceria Estratégica do BRICS sob os três pilares da cooperação – política e segurança, economia e finanças, intercâmbios culturais e interpessoais.

Os ministros reiteraram o seu compromisso com o multilateralismo e com a defesa do direito internacional, incluindo os Propósitos e Princípios consagrados na Carta das Nações Unidas (ONU) como sua pedra angular indispensável, e o papel central da ONU num sistema internacional em que os Estados soberanos cooperam manter a paz e a segurança internacionais, promover o desenvolvimento sustentável, garantir a promoção e proteção da democracia, dos direitos humanos e das liberdades fundamentais para todos.

Manifestaram o seu apoio a uma reforma abrangente das Nações Unidas, incluindo o seu Conselho de Segurança, com vista a torná-lo mais democrático, representativo, eficaz e eficiente.

Os ministros reafirmaram o importante papel do G20 como principal fórum para a cooperação económica internacional e saudaram e apoiaram a inclusão da União Africana como membro do G20 na Cimeira do G20 em Nova Deli.

Os ministros reiteraram que as presidências consecutivas da Índia, Brasil e África do Sul do G20 em 2023-2025 estabeleceram uma base sólida para abordar as desigualdades, desequilíbrios e deficiências na economia mundial, expressaram apoio à continuidade e colaboração nas suas presidências do G20 e desejaram-lhes sucesso a todos. em seus esforços.

Expressando a sua preocupação com os conflitos em curso em muitas partes do mundo, os ministros reiteraram o seu compromisso com a resolução pacífica de litígios através da diplomacia, do diálogo inclusivo e de consultas de forma coordenada e cooperativa e apoiaram todos os esforços conducentes à resolução pacífica das crises.

Os ministros recordaram as suas posições nacionais relativamente à situação dentro e à volta da Ucrânia, tal como expressas nos fóruns apropriados, incluindo o Conselho de Segurança da ONU, e registaram com apreço propostas relevantes de mediação e bons ofícios destinadas à resolução pacífica do conflito através do diálogo e da diplomacia, a declaração disse.

Os ministros do BRICS “expressaram grande preocupação com a deterioração da situação no Território Palestino Ocupado, em particular com a escalada de violência sem precedentes na Faixa de Gaza como resultado da operação militar israelense que levou ao deslocamento em massa de civis, mortes e vítimas, e destruição da infra-estrutura civil”, afirmou.

Os ministros apelaram à implementação efectiva da resolução 2728 do CSNU para um cessar-fogo imediato, duradouro e sustentado. Apelaram igualmente à libertação imediata e incondicional de todos os reféns e civis que estão ilegalmente mantidos em cativeiro. Eles expressaram grande preocupação com os crescentes ataques de Israel a Rafah, disse o comunicado.

Reafirmaram a sua rejeição de qualquer tentativa que vise deslocar, expulsar ou transferir à força o povo palestiniano das suas terras.

Reafirmaram o seu apoio à adesão plena da Palestina às Nações Unidas e reiteraram o seu compromisso inabalável com a visão da solução de dois Estados baseada no direito internacional, incluindo as resoluções relevantes do CSNU e da AGNU e a Iniciativa de Paz Árabe que inclui o estabelecimento de um país soberano e independente. e viável da Palestina, em linha com as fronteiras internacionalmente reconhecidas de Junho de 1967, com Jerusalém Oriental como a sua capital, vivendo lado a lado em paz e segurança com Israel.

Os ministros sublinharam a necessidade de uma solução pacífica urgente no Afeganistão, a fim de reforçar a segurança e a estabilidade regionais.

Expressaram forte condenação de quaisquer actos de terrorismo como “criminosos e injustificáveis, independentemente da sua motivação, quando, onde e por quem sejam cometidos” e reafirmaram o seu compromisso no combate ao terrorismo em todas as suas formas e manifestações, incluindo o terrorismo transfronteiriço e o terrorismo financiamento e refúgios seguros.

“Reiteraram que o terrorismo não deve ser associado a nenhuma religião, nacionalidade, civilização ou grupo étnico e que todos os envolvidos em atividades terroristas e o seu apoio devem ser responsabilizados e levados à justiça de acordo com o direito internacional”, afirmou o comunicado, acrescentando que os Ministros instaram a garantir a “tolerância zero ao terrorismo” e rejeitaram a duplicidade de critérios no combate ao terrorismo.

Os ministros expressaram a necessidade de reforçar de forma abrangente os mecanismos para combater a utilização crescente, numa sociedade globalizada, por terroristas e seus apoiantes de tecnologias emergentes e em evolução, como a Internet e outras tecnologias de informação e comunicação, incluindo plataformas de redes sociais, para fins terroristas.

Eles também apelaram a todas as partes para que implementem integralmente a Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (UNFCCC) e o seu Acordo de Paris, afirmou o comunicado.

Opuseram-se a medidas protecionistas unilaterais, que perturbam deliberadamente as cadeias globais de abastecimento e produção e distorcem a concorrência, afirma o comunicado.

Os ministros expressaram o seu apoio a um “sistema comercial multilateral aberto, transparente, justo, inclusivo, equitativo, não discriminatório e baseado em regras” com a Organização Mundial do Comércio no seu núcleo, com tratamento especial e diferenciado (S&DT) para os países em desenvolvimento, incluindo os Países Menos Desenvolvidos como princípio fundamental fundamental da OMC.

Os ministros também sublinharam a importância do maior uso de moedas locais nas transações comerciais e financeiras entre os países do BRICS.

A Rússia assumiu a presidência do BRICS durante um ano em 1º de janeiro de 2024.

A presidência da Rússia apresenta mais de 250 eventos diversos, sendo a cimeira dos BRICS em Kazan, em Outubro de 2024, o evento central, informou a agência de notícias oficial russa TASS.

(Exceto a manchete, esta história não foi editada pela equipe da NDTV e é publicada a partir de um feed distribuído.)

Source

By admin

Related Post

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *