• Dom. Jun 23rd, 2024

Macron, da França, pede eleições antecipadas após aumento da extrema direita na votação na UE

Byadmin

Jun 10, 2024

O anúncio foi feito depois que as pesquisas de boca de urna mostraram que sua aliança perdeu para o Rally Nacional (RN) de extrema direita na votação do parlamento da UE.

O presidente francês, Emmanuel Macron, anunciou que dissolverá o parlamento e convocará novas eleições legislativas depois que as pesquisas de boca de urna mostraram que sua aliança sofreu uma pesada derrota nas eleições europeias para o partido de extrema direita Reunião Nacional (RN), de Marine Le Pen.

Macron disse que os resultados do Parlamento Europeu no domingo foram sombrios para o seu governo e que ele não poderia fingir ignorar. Num discurso à nação, ele disse que as eleições para a Câmara dos Deputados seriam convocadas para 30 de junho, com um segundo turno em 7 de julho.

“Este é um momento essencial para esclarecimentos”, disse Macron. “Ouvi a sua mensagem, as suas preocupações e não as deixarei sem resposta… A França precisa de uma maioria clara para agir com serenidade e harmonia.”

“Os partidos de extrema-direita… estão a progredir em todo o continente. É uma situação com a qual não posso me resignar”, afirmou.

O Rally Nacional de Le Pen, liderado por Jordan Bardella, de 28 anos, obteve cerca de 32 por cento dos votos, mais que o dobro dos 15 por cento da chapa de Macron, de acordo com as primeiras pesquisas de boca de urna. Os socialistas ficaram muito perto de Macron, com 14 por cento.

O forte desempenho de Le Pen, que registou um aumento de 10 pontos percentuais nas últimas eleições na União Europeia em 2019, enfraquecerá a permanência de Macron no poder três anos antes do final do seu último mandato. Também poderia provocar deserções de alto nível do seu campo centrista, à medida que a batalha pela sucessão para substituí-lo esquenta.

“Estamos prontos para assumir o poder se os franceses nos derem a sua confiança nas próximas eleições nacionais”, disse Le Pen num comício pouco depois do anúncio chocante de Macron.

Le Pen e Bardella procuraram enquadrar as eleições na UE como um referendo intercalar sobre o mandato de Macron, explorando o descontentamento com a imigração, o crime e uma crise inflacionária que já dura há dois anos.

As eleições europeias também marcam um momento crítico em França, uma vez que Macron não pode voltar a ser presidente em 2027 e a figura de proa do RN, Le Pen, acredita que tem a sua melhor oportunidade de sempre de ganhar o Palácio do Eliseu.

Jaques Reland, do Global Policy Institute, disse à Al Jazeera que a situação em França “é uma confusão desenfreada”.

“É uma aposta arriscada”, disse ele, comentando a decisão de Macron.

“As eleições europeias foram usadas como uma forma de os franceses desabafarem… para dizerem que não estão satisfeitos em questões como a imigração e os cortes nos subsídios de desemprego”, disse ele.

“Mas eles reconhecem uma coisa sobre ele [Macron] que a nível internacional ele transmite uma boa imagem da França e da Europa.”

Source link

By admin

Related Post

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *