• Seg. Abr 15th, 2024

Adesão à greve de médicos dos Açores, Alentejo e Algarve em 85% – Observador Feijoada

ByEdgar Guerreiro

Ago 30, 2023

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) avançou esta quarta-feira que, segundo “indicações muito iniciais”, a adesão à greve destes profissionais nos Açores, Alentejo e Algarve, que teve início às 00h00, é de cerca de 85%.

As indicações que temos muito inicias é que [a adesão] será acima dos 85%”, disse o secretário-geral do SIM, Jorge Roque da Cunha”, num primeiro ponto de situação feito esta manhã junto ao Hospital de Faro.

Médicos que exercem funções nos Açores, Alentejo e Algarve iniciam esta quarta-feira uma greve de dois dias convocada pelo SIM para exigir do Governo uma resposta efetiva ao caderno reivindicativo sindical.

Jorge Roque da Cunha adiantou ainda que o único bloco operatório que está a funcionar é de médicos prestadores de serviço, que se encontra em Faro.

Por outro lado, o responsável do SIM “garantiu” que todos os blocos que estão adstritos aos serviços de urgência “naturalmente estão a funcionar”.

Para Jorge Roque da Cunha, “o grande responsável” desta greve é o Governo, porque, apesar de o SIM durante um ano e três meses tudo ter feito para a evitar, não teve outra “hipótese”, reconhecendo que esta ação causa “grandessíssimas perturbações”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Tentámos neutralizar, de alguma maneira, com estas greves regionais, não afetando toda a gente, mas queremos que o Governo aplique os nossos impostos naquilo que deve fazer e diz que o faz na prática, que é no nosso Serviço Nacional de Saúde (SNS)”

A greve regional convocada pelo SIM, que teve início às 00h00 de esta quarta-feira e termina às 24:00 de quinta-feira, implica “a paralisação total e com ausência dos locais de trabalho” dos médicos que trabalham nos estabelecimentos de saúde na Região Autónoma dos Açores, na área da Administração Regional de Saúde do Alentejo e na área da Administração Regional de Saúde do Algarve.

O SIM adianta no pré-aviso de greve que a “luta dos trabalhadores médicos visa fazer com que o Governo dê uma resposta efetiva ao caderno reivindicativo sindical”.

Os médicos reivindicam também “o urgente encerramento da atividade da mesa negocial constituída entre o Governo e o SIM, e que, especifica e prioritariamente, seja apresentada pelos ministros das Finanças e da Saúde uma proposta de Grelha Salarial que reponha a carreira das perdas acumuladas por força da erosão inflacionista da última década e que posicione com honra e justiça toda a classe médica, incluindo os médicos internos, na Tabela Remuneratória Única da função pública”.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *