• Ter. Abr 16th, 2024

Primeiro-ministro de Cabo Verde espera que acordo com Portugal sobre dívida e clima se torne “contagiante” – Observador Feijoada

ByEdgar Guerreiro

Ago 31, 2023

O primeiro-ministro cabo-verdiano, Ulisses Correia e Silva, classificou esta quarta-feira o acordo com Portugal para conversão de dívida em financiamento climático como um exemplo que espera se torne “contagiante”.

“É um bom exemplo que desejamos seja contagiante para outros parceiros”, referiu na cerimónia de abertura de uma reunião com 350 participantes de Pequenos Estados Insulares em Desenvolvimento (SIDS, sigla inglesa para Small Island Developing States), que decorre nas instalações da universidade de Cabo Verde (Uni-CV) até sexta-feira para preparar a IV Conferência Internacional da organização, em maio de 2024.

“Iniciativas como esta, para terem impacto, precisam de ser assumidas pelos parceiros bilaterais e multilaterais em relação a todos os SIDS”, referiu. Ao fazerem-no, os parceiros não estarão a fazer mais do que “cumprir os compromissos que de COP (Conferência da ONU sobre o Clima) em COP vêm sendo anunciados, mas pouco realizados”, disse.

Portugal e Cabo Verde vão ter comemorações conjuntas dos 50 anos do 25 de Abril

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“São precisos mecanismos que criem círculos virtuosos: a transformação da dívida em financiamento climático é um deles“, destacou Ulisses Correia e Silva na sua intervenção.

Para o primeiro-ministro cabo-verdiano, as vantagens são diversas: reduz a dependência de combustíveis fósseis, valoriza economicamente recursos como o sol, vento e mar, reduz a fatura energética, desenvolve a economia azul e reduz as emissões de carbono.

O governante apontou ainda a conversão de dívida em financiamento climático como o caminho para uma economia mais sustentável, com mais emprego qualificado.

FMI tem pela primeira vez um representante residente em Cabo Verde

Ulisses Correia e Silva e o seu homólogo português, António Costa, assinaram no dia 20 de agosto, em Lisboa, um acordo de criação pelas autoridades cabo-verdianas de um Fundo Climático Ambiental, em que Portugal assume o compromisso de participar com 12 milhões de euros.

O montante corresponde ao valor que seria entregue pelo Estado cabo-verdiano, como reembolso de capital, no âmbito do Contrato de Consolidação da Dívida de Cabo Verde a Portugal, celebrado em 1 de fevereiro de 2022.

No encontro dos SIDS que decorre na Praia até sexta-feira, os países integrantes querem formular uma posição comum sobre as suas prioridades que servirá de base ao documento final da sua IV Conferência Internacional, a organizar por Antígua e Barbuda, de 27 a 30 de maio de 2024.

Já na última semana, o Governo cabo-verdiano destacou estimativas oficiais: entre 1970 e 2020, os pequenos Estados insulares terão suportado cerca de 153 mil milhões de dólares (cerca de 140 mil milhões de euros) em ações de recuperação face a catástrofes naturais e aos efeitos que são produzidos pelas alterações climáticas.

Cabo Verde quer ver “passos concretos” para reforçar cooperação económica na CPLP



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *