• Qui. Fev 29th, 2024

Abaya? Usa tu – Observador Feijoada

ByEdgar Guerreiro

Set 1, 2023

Estive a ler sobre a proibição da abaya nas escolas públicas francesas e a discussão que tal está a causar. É uma proibição com a qual concordo e, ao contrário do que afirmou Henrique Raposo, no Expresso, não promove nem o acesso ao espaço público nem a integração seja no que for. Esta proibição, tal como aconteceu com a dos símbolos religiosos ostensivos nas escolas públicas, em 2004, favorecerá a integração e o rendimento das alunas – os dados estão disponíveis para consulta. Nem sequer é surpreendente. Basta pensar. Uma miúda de cabeça tapada, de vestido até aos pés por cima da roupa, usa o veú e a abaya como elementos diferenciadores, cria-se uma separação, há «elas» e «nós», ora o convívio também decorre da sensação de proximidade, das afinidades. Fazer parte de um grupo de colegas, sentir-se parte de uma escola, é importante para crianças e adolescentes e é natural que o sentimento de integração reverta positivamente no rendimento escolar.

E muito me choca que a esquerda, que diz pugnar pelos direitos das mulheres, se alinhe com a submissão da mulher ao preceito religioso extremista e patriarcal no espaço neutro e secular do ensino público, o único lugar onde, para muitas crianças e adolescentes, se pode pensar e ser aquilo que não se conhece ou não é permitido ser e conhecer no espaço familiar ou social de origem. Inclusivamente o lugar social da mulher. Como Wittgenstein afirmou, não se pode ser aquilo que não se pode pensar.

A deputada Sandrine Rosseau, dos Verdes, uma figura dita de proa no combate à violência sexual, ecofeminista, considera esta decisão do ministro da Educação «uma forma de controlo social do corpo das raparigas e das mulheres», esquecendo, muito convenientemente, a quem servem os nigab, burca e chador. É uma declaração vergonhosa. Afinal, Masha Amini foi só uma bandeira? Não. Foi uma mulher jovem, morta criminosamente em nome do modo de vida ultrajante. E quem já viu meninas de 10 anos constritas por lenços onde nem um cabelo assoma, de abaya por cima da roupa e véu a tapar-lhes a boca, não fica indiferente.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *