• Seg. Abr 15th, 2024

Reabilitação do Chalet Ficalho em Cascais vence Prémio Vilalva da Gulbenkian – Observador Feijoada

ByEdgar Guerreiro

Set 12, 2023

De acordo com a Gulbenkian, o prémio, em 15.ª edição — que distingue projetos de excelência na área da conservação, recuperação, valorização ou divulgação do património português, imóvel e móvel — recebeu este ano mais de duas dezenas de candidaturas.

A atribuição do galardão à reabilitação do Challet Ficalho — exemplo representativo da arquitetura de luxo de veraneio que se instalou em Cascais a partir do último quarto do século XIX — deveu-se, entre outras razões, ao facto de o projeto ter conseguido “obedecer a um profundo respeito pela traça original do edifício”, segundo o júri.

No âmbito do Prémio Gulbenkian Património — Maria Tereza e Vasco Vilalva foram ainda atribuídas duas menções honrosas: uma ao Edifício das Águas Livres e outra às Casas Nobres de João Pereira e Sousa, ambos em Lisboa.

O júri, composto pelo antigo presidente do Centro Cultural de Belém e do ex-Instituto Português do Património Cultural, António Lamas, que o presidiu, pelo arquiteto Gonçalo Byrne e os investigadores Raquel Henriques da Silva, Rui Vieira Nery e Santiago Macias, escolheu o projeto de reabilitação proposto a concurso pelo arquiteto Raúl Vieira, responsável técnico da intervenção, e Maria de Jesus da Câmara Chaves, dona da obra.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

As outras razões que pesaram na escolha foram, uma delas, o facto de o projeto “ter incidido sobre um edifício que, apesar de classificado, se encontrar em acentuado grau de degradação e visava, por outro lado, a reconversão do imóvel num equipamento hoteleiro, o que implicava igualmente a incorporação de infraestruturas modernas de apoio a essa redefinição funcional”.

O “recurso exemplar a técnicas e saberes artesanais tradicionais no trabalho das madeiras e da pedra, bem como no restauro de telas e sedas de revestimento”, com a seleção de “soluções discretas e eficazes, com um mínimo de perturbação do equilíbrio arquitetónico”, também pesaram na opção do júri, indica o comunicado da Gulbenkian sobre o prémio.

Da mesma forma, foi elogiada a recuperação do jardim, feita em colaboração com o Jardim Botânico de Lisboa, realizada “com grande preocupação de fidelidade ao projeto paisagístico inicial, sendo a principal alteração ao mesmo, decorrente da instalação de uma piscina, efetuada de modo a minimizar o seu impacto no ângulo de visão a partir da casa”.

A importância patrimonial do edifício, “enquanto expoente de um estilo arquitetónico em grande parte já hoje destruído na maioria das zonas balneares do País, pelo caráter modelar do respeito pelas técnicas e materiais originais no projeto de recuperação, e pelo equilíbrio exemplar entre a preservação do conjunto e a sua adequação à sua nova função”, foram igualmente tidas em conta pelo júri.

Nas menções honrosas, o projeto de reabilitação e revisão dos espaços comuns e áreas de uso coletivo do Edifício das Águas Livres, em Lisboa – proposta pelo Condomínio das Águas Livres e pelo Arquiteto Rui Mendes, que trabalhou de perto com o arquiteto coautor Bartolomeu Costa Cabral —, foi escolhido por ter conseguido “propor, em diferente contexto tecnológico, ambiental e regulamentar, o prolongamento do ciclo de vida do edifício, revertendo a natural erosão de elementos e materiais construtivos”.

Quanto às Casas Nobres de João Pereira e Sousa, também em Lisboa — uma candidatura conjunta de arquitetura e azulejaria, proposta pelos ateliers Appleton e Domingos, Arquitectos, e Can Ran Arquitectura — a distinção deveu-se ao “restauro do mobiliário de uma antiga mercearia”.

Foram tidos em conta particularmente “o restauro e valorização dos tetos de masseira ainda existentes, das portadas dos vãos e dos tabuões de alguns dos soalhos que assumem a passagem da história sobre eles, a eficácia das opções de ‘construção nova’” e “as soluções encontradas para valorizar os elementos azulejares existentes, incluindo a criação de painéis novos”.

O Prémio Gulbenkian Património — Maria Tereza e Vasco Vilalva, instituído em 2007, foi criado em homenagem a Vasco Vilalva, com o objetivo de assinalar intervenções exemplares em bens móveis e imóveis de valor cultural que estimulem a preservação e a recuperação do património.

Após a morte da Condessa de Vilalva, em 2017, o Prémio recebeu o nome de Maria Tereza e Vasco Vilalva.

O galardão será entregue na quarta-feira, às 17:00, no Chalet Ficalho, em Cascais.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *