• Qui. Fev 29th, 2024

Nuno Morna, o candidato da IL na Madeira que gosta de ter “picante na vida” – Observador Feijoada

ByEdgar Guerreiro

Set 13, 2023

Habituado aos mercados, para onde vai pelo menos uma vez por mês, o cabeça de lista da Iniciativa Liberal (IL) às regionais da Madeira passou nesta quarta-feira parte da manhã entre bancas de bananas, ameixas, frutos secos, malaguetas, atuns e chicharros.

“Pelo menos uma vez por mês venho aqui”, disse à agência Lusa Nuno Morna nos corredores do Mercado do Lavrador, no centro do Funchal, durante uma ação de campanha da IL às eleições legislativas madeirenses, marcadas para dia 24.

O Mercado da Penteada, também no Funchal e “que é mais perto de casa”, ou então o Mercado do Santo da Serra, no concelho do Machico, são outras alternativas da família, principalmente para comprar fruta e legumes, já que para a carne preferem ir “ao talho habitual” e o peixe é entregue em casa por um fornecedor que, por acaso, também vende no Mercado dos Lavradores. “O do Santo da Serra é quase um programa em família, como é mais longe, aproveitamos e vamos ao fim de semana, almoçamos fora, que durante a semana estamos todos a trabalhar”, contou.

Contudo, as grandes superfícies são também locais frequentados pela família do candidato da IL que, além de ator e produtor teatral, é também técnico de aeronáutica da NAV — Navegação Aérea.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“E isso é útil, até para perceber que realmente as coisas nos mercados muitas vezes são mais baratas e mais frescas“, continuou Nuno Morna. A conversa acabou por ser interrompida pelo líder da IL, Rui Rocha, que nos primeiros dias de campanha para as regionais de dia 24 tem estado sempre ao lado do candidato e que, apesar de regressar nesta quarta-feira ao continente, voltará no fim de semana e, depois, novamente perto do dia das eleições.

“É uma caneta aqui para o Marcelino, se faz favor”, pediu Rui Rocha. Mostrando à vontade entre comerciantes, num mercado que ao final da manhã não tinha muitos clientes, o líder da IL disse gostar da fruta madeirense, mas contou que a principal entusiasta é a mulher, que “adora ananás banana”. Sobre os preços, Rui Rocha concordou com o candidato da IL que “é tudo mais barato”.

Entretanto, Nuno Morna chegava à banca em que normalmente compra fruta, no primeiro andar do mercado, e aproveitou para acrescentar que outra coisa que gosta muito de comprar é picantes. “A minha vida tem de ter picante… pelo menos na alimentação”, disse a sorrir, encaminhando-se novamente para o rés-do-chão do mercado, onde está a “praça do peixe”.

Ali, entre bancas em que o “atum cortado” custava 15,95 euros, o “atum inteiro” 4,95, a bicuda 8,95 e a garoupa 17,95, Nuno Morna encontrou ainda “o amigo taxista”, que lhe foi pedir “uma pulseirinha”. “Isto é um partido pobrezinho, não sei se ainda temos. Ainda há aí alguma pulseirinha?”, perguntou à pequena comitiva que acompanha a IL nas ações de campanha. Apesar de já ter aparecido mesmo no fim da visita, quando o stock de brindes estava quase no fim, o “amigo taxista” ainda conseguiu a sua pulseira azul.

Nas regionais de 2019, Nuno Morna já foi o cabeça de lista do partido, sem conseguir o mandato, e surgiu em terceiro lugar na lista nacional do partido nas europeias desse ano. Foi também candidato à Câmara Municipal de Santa Cruz nas autárquicas de 2021. A IL, que se apresenta a votos pela segunda vez nas legislativas da Madeira, tem como meta eleger um grupo parlamentar e estabeleceu como “serviços mínimos” a eleição de pelo menos um deputado.

As legislativas da Madeira decorrem em 24 de setembro, com 13 candidaturas a disputar os 47 lugares no parlamento regional, num círculo eleitoral único. PTP, JPP, BE, PS, Chega, RIR, MPT, ADN, PSD/CDS-PP (coligação Somos Madeira), PAN, Livre, CDU (PCP/PEV) e IL são as forças políticas que se apresentam a votos.

Nas anteriores regionais, em 2019, os sociais-democratas elegeram 21 deputados, perdendo pela primeira vez a maioria absoluta que detinham desde 1976, e formaram um governo de coligação com o CDS-PP (três deputados). O PS alcançou 19 mandatos, o JPP três e a CDU um.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *