• Seg. Abr 15th, 2024

O livro – Observador Feijoada

ByEdgar Guerreiro

Set 17, 2023

1 É um tique compulsivo: em se tratando de Cavaco Silva, a esquerda, desunida, toca em uníssono a rebate e dispara. O toque perdeu potência, as armas enferrujaram, as munições estão fora do prazo, mas a esquerda é sobretudo isto: um descolamento da realidade como se pode ter da retina.

Apetece recomendar novo argumentário, mas é lá com eles. Um dia, a realidade que nunca deixa os seus créditos por mãos alheias, volta ao de cima (“elle revient au galop”) e impõe-se de vez.

2 Eu não sei se Cavaco Silva conhece uma frase de Ruben A que a lucidez do escritor transformaria numa descoberta: “em Portugal o óbvio é que é difícil”, (há muito que dei em fazer disto um mandamento). É verdade, o “óbvio” é-nos “difícil”, uma empreitada ciclópica, só arrancada a ferros. Claro que o ex-Primeiro Ministro e ex-Presidente não precisa de ler Ruben A, nem de como eu se ter apropriado da frase. Bastou-lhe olhar para o que está por aí politicamente e por isso me lembrei do Ruben. Talvez algo desapropriadamente, reconheço, mas foi-me irresistível: ou seja, das “óbvias” tarefas da governação – escolha, decisão, reforma, capacidade transformadora, garantia de cumprimento das responsabilidades do Estado (Saúde, Educação, Justiça) – qual não tem sido tão “obviamente difícil” de concretizar? Todas? Quase todas?

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *