• Seg. Abr 15th, 2024

Clóvis Abreu, suspeito da morte do PSP Fábio Guerra, entrega-se às autoridades. Estava há um ano e meio em parte incerta – Observador Feijoada

ByEdgar Guerreiro

Set 18, 2023

O terceiro suspeito da morte do agente da PSP Fábio Guerra, em março de 2022, à porta da discoteca Mome, em Lisboa, entregou-se esta segunda-feira às autoridades no Campus da Justiça, e vai ser presente na terça-feira a juiz para conhecer as medidas de coação.

O suspeito, Clóvis Abreu, surgiu acompanhado pelo advogado Aníbal Pinto, depois de mais de um ano e meio sem se apresentar às autoridades, tendo agora ficado à guarda da Polícia Judiciária.

“Há um ano e meio o senhor Clóvis Abreu fez um requerimento a dizer que se queria apresentar e aguardou que fosse marcado. Houve uma dificuldade de comunicação, um engano, não sei o que aconteceu… Nunca recebeu um requerimento a dizer para se apresentar. Portanto, tornou a fazer outro requerimento, teve a resposta e hoje apresentou-se”, explicou o mandatário aos jornalistas.

Clóvis Cláudio Duval Abreu, de 26 anos, está indiciado por homicídio qualificado em coautoria com Cláudio Coimbra e Vadym Hrynko, dois ex-fuzileiros, que entretanto foram julgados e condenados — a 20 e 17 anos de prisão, respetivamente.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Em declarações às televisões à saída do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa, Aníbal Pinto lembrou que Clóvis Abreu se apresentou esta segunda-feira de forma voluntária e que isso deveria significar uma medida de coação aplicada pelo juiz de instrução criminal que não implicasse a privação de liberdade.

Ex-Fuzileiros. Cláudio Coimbra e Vadym Hrynko condenados a 20 e 17 anos de prisão pelo homicídio de Fábio Guerra

“Estava perfeitamente ciente de que poderia e deveria ser detido, no meu entender de forma desnecessária. Amanhã, o juiz de instrução vai aplicar uma medida de coação, aguardaremos. Para que ele seja privado de liberdade é preciso que exista um dos pressupostos… Não há perigo de fuga, não há perigo de continuação da atividade criminosa, não há perigo de perturbação de inquérito”, salientou.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *