• Ter. Mar 5th, 2024

Pode a direita ignorar o Chega? – Observador Feijoada

ByEdgar Guerreiro

Set 20, 2023

Moção de censura do Chega. A direita fica confusa e não sabe bem o que fazer. O PSD abstém-se. A IL vota a favor. O CDS, por uma vez, agradece não estar no Parlamento. O PS fica satisfeitíssimo. Poucas coisas agradam mais aos socialistas do que ver a direita confusa. É normal. A questão do título deste artigo foi colocada por Helena Matos e José Manuel Fernandes aos ouvintes da rádio Observador.

A decisão da IL é importante. Em primeiro lugar, resulta do reconhecimento do que os eleitores de direita não ignoram o Chega. Calculo que os dirigentes da IL fizeram as contas e chegaram à conclusão que seria mais penalizador eleitoralmente não ser tão crítico do governo como o Chega do que votar ao lado do partido de André Ventura. Isto significa que a IL reconhece que o Chega conquistou um lugar de destaque na direita.

Em segundo lugar, a IL mostrou pragmatismo político. Ninguém acredita que a IL passou a defender as propostas do Chega, que se tornou num partido contra a emigração, ou que defende políticas duras contra os ciganos. A IL percebeu que era do seu interesse político votar a favor a moção de censura do Chega. Chama-se pragmatismo político: o alinhamento numa questão importante com quem tem propostas políticas diferentes, algumas até opostas. Claro que a decisão da IL terá consequências políticas. No futuro, será mais difícil para a IL recusar entendimentos com o Chega se houver uma maioria de direita na Assembleia da República.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *