• Dom. Abr 14th, 2024

A escoliose explicada – Observador Feijoada

ByEdgar Guerreiro

Set 24, 2023

Reparámos talvez que em ocasiões públicas a coluna vertebral da pessoa ao nosso lado se começou a contorcer e a inclinar para os lados. Naturalmente apenas em algumas ocasiões públicas: num circo ou numa aula de ginástica a ocorrência não é surpreendente, porque nesses casos não temos dúvidas de que se trata do efeito de uma acção deliberada. A surpresa vem de, sem que haja sinais de deliberação ou sombra de instrução palpável, as colunas dos nossos vizinhos começarem a descrever círculos e elipses complexas. É o fenómeno conhecido por escoliose.

A quem tenha testemunhado a ocorrência parecerão justificadas as perplexidades dos especialistas: qual pode ser a origem da escoliose? Uma coluna vertebral direita é tradicionalmente característica das pessoas admiráveis. Parece misterioso que um pilar do corpo que associamos a virtudes comece a cirandar independentemente da vontade do proprietário. Nos templos gregos os movimentos das colunas demoravam muito mais tempo, e deviam-se a causas geológicas e sismológicas. Para explicar contorções humanas a física é todavia de auxílio limitado. E é por isso que as autoridades são geralmente tão cautelosas acerca das origens da escoliose.

“A ontogénese,” recita-se em vez disso nas escolas, “recapitula a filogénese.” Entende-se por esta doutrina que o que acontece a alguém durante a vida repete abreviadamente o que acontecera à respectiva espécie. Aplicado ao caso que nos ocupa, a ideia poderia indicar que as surpresas que certas colunas alheias nos proporcionam são uma característica da espécie a que pertencem os seus proprietários; a nossa espécie seria por definição dada a entorses de coluna, porventura efeito de uma queda anterior. É uma explicação desnecessariamente melancólica: todos teremos caído, mas nem todos os membros da nossa espécie sofrem de escoliose. A escoliose é mais como uma inclinação, uma variedade de doença profissional que pode afectar reis e camponeses, subalternos que têm medo e superiores que querem amor.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *