• Sex. Jun 21st, 2024

Trump pode processar sobrinha por divulgação de documentos financeiros, regras judiciais

Byadmin

Mai 30, 2024

O ex-presidente Donald J. Trump pode prosseguir com um processo contra Mary L. Trump, sua sobrinha distante, por seu papel como fonte para uma investigação do New York Times sobre as finanças de Trump, disse um tribunal de apelações do estado de Nova York na quinta-feira.

A decisão, da Divisão de Apelação da Suprema Corte do Estado, foi uma vitória para Trump, embora não abordasse a substância de sua reivindicação: que sua sobrinha deveria ser responsabilizada por violação de um acordo de confidencialidade quando ela forneceu documentos financeiros a uma equipe de jornalistas do Times.

Esses documentos tornaram-se a base de uma série de artigos noticiosos que examinam o que o Times chamou de histórico de evasão fiscal e “fraude total” de Trump. A série recebeu o Prêmio Pulitzer por reportagem explicativa em 2019.

Trump processou o The Times em 2021 por causa dos artigos, acusando a organização de notícias de induzir indevidamente sua sobrinha a fornecer os documentos. No ano passado, um juiz de Nova Iorque rejeitou as acusações de Trump contra o The Times e os seus jornalistas; o juiz também ordenou que o ex-presidente pagasse os honorários advocatícios do jornal.

Nas ações contra sua sobrinha, Trump argumentou que ela quebrou os termos de um acordo de confidencialidade que fazia parte de um acordo relacionado ao testamento de Fred C. Trump, pai do ex-presidente, que morreu em 1999.

Trump, que revelou o seu papel como fonte do The Times num livro de memórias de 2020, afirma que a Primeira Emenda protegia as suas ações.

Num parecer de três páginas divulgado na quinta-feira, o tribunal estadual de apelações manteve a decisão de um tribunal inferior de que havia “uma base legal substancial” para a alegação de violação de contrato de Trump. O parecer também observou várias questões que precisariam ser resolvidas para que Trump prevalecesse, incluindo a duração precisa da cláusula de confidencialidade assinada por Trump e se o ex-presidente poderia provar que sofreu danos como resultado das revelações.

O caso agora retorna à Suprema Corte do Estado de Nova York, o tribunal de primeira instância do estado.

A advogada de Trump, Alina Habba, disse que o ex-presidente continuaria seu processo para garantir que Trump “seja totalmente responsabilizado por sua flagrante e flagrante quebra de contrato”.

Uma advogada de Trump, Anne Champion, disse que estava “decepcionada” com a decisão. “A Primeira Emenda dá-nos todos o direito de criticar os candidatos a cargos públicos, e Mary fez contribuições valiosas para o conhecimento do público sobre o ex-presidente com a sua perspectiva única como membro da família”, disse ela num comunicado. “Ela não deve ser silenciada e estamos confiantes de que ela será justificada à medida que o caso avança.”

Source link

By admin

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *