• Dom. Abr 14th, 2024

O travão, nova alavanca do socialismo – Observador Feijoada

ByEdgar Guerreiro

Set 2, 2023

Vai o governo colocar um travão ao aumento das rendas em 2024? — esta é a pergunta do momento. Está por todo o lado. Note-se que a reivindicação do travão ao aumento das rendas sucede ao extraordinário travão ao aumento do preço das cebolas, das cenouras e da pescada, que por sua vez pressupunha o travão aos lucros da grande distribuição e já agora também da média e quiçá da pequena. Afinal a cada sector de actividade que não se comporta segundo o previamente estabelecido na quadratura estatista que nos rege espera-o um travão. O simples alertar para um provável aumento do preço pode gerar a fúria governamental, como aconteceu quando, pouco depois do início da guerra na Ucrânia, o então presidente da Endesa, Nuno Ribeiro da Silva, avisou sobre o aumento do preço do gás.

Quando o travão falha apela-se a Bruxelas para que esta imponha um travão alargado, como fez agora António Costa ao apelar a Bruxelas para «Estancar o “ braindrain”». Desde já agradeço aos leitores que decifrem o que pretende o Governo português com este seu apelo a um travão, pois o texto é uma espécie de descrição de soma nula: “No decurso do Ano Europeu das Competências, a União deve envidar esforços para conter a perda e transferência de capital humano altamente qualificado, de modo a evitar a “fuga de talentos” e rentabilizar o investimento envolvido nos percursos educativos dos cidadãos europeus, bem como manter a competitividade e coesão no seio da União Europeia, enquanto espaço de inovação e desenvolvimento científico e tecnológico, sem prejudicar a liberdade de circulação e realização pessoal.

Na verdade eu leio e releio e não entendo (sim, já sei que não sou um talento, mas garanto que sou uma boa leitora): pretende o Governo português travar a fuga de cérebros dentro dos países da UE ou para fora da UE? E como “sem prejudicar a liberdade de circulação e realização pessoal”? Pondo Bruxelas a pagar-lhes mais, como se tudo se resumisse a uma questão salarial?

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *