• Ter. Abr 16th, 2024

Outro comentador televisivo a presidente? Não, obrigado – Observador Feijoada

ByEdgar Guerreiro

Set 8, 2023

Regressado de férias, senti por uns momentos o que deve ter sentido Rip Van Winkle, quando percebeu que a sua sesta durara duas décadas. Toda a gente discutia as eleições presidenciais, como se fosse 2026. Teria eu estado fora duas semanas, ou dois anos? Mas ao contrário do mítico americano, a quem o longo sono fez perder a fundação dos EUA, as férias não me fizeram perder muita coisa. Discute-se as presidenciais de 2026, tal como se poderia discutir as europeias de 2024 ou as autárquicas de 2025, apenas porque nada mais há realmente para discutir este ano. Não, não é ridículo, nem justifica os esforços de engraçadismo que hoje passam por comentário político.

Que discutir, em vez das presidenciais de 2026? A estagnação da economia, disfarçada pelo turismo? Os preços da habitação? Uma das mais altas taxas de inflação anual da Europa? O enorme esforço fiscal, que mesmo assim não impede a dívida do Estado de crescer (292 mil milhões de euros de dívida directa em Julho de 2023, segundo o Banco de Portugal, isto é, mais 12 mil milhões do que no ano anterior)? A degradação do SNS e da escola pública? A emigração dos diplomados? Para quê? O que é que, em relação a cada um desses assuntos, já não dissemos? Resta-nos falar das eleições dos próximos anos, como quem, à deriva no mar, tenta descortinar terra forçando o olhar sobre o horizonte.

Desde 1995, que o Partido Socialista manda em Portugal, inclusivamente quando não governa, porque sempre que outros partidos passaram pelo governo, passaram tão brevemente e em circunstâncias tão apertadas que nunca puderam desmontar a máquina de poder socialista: por isso, o que PSD e CDS puderam fazer, entre 2002 e 2005, ou entre 2011 e 2015, não foi muito mais do que restabelecer equilíbrios financeiros que logo serviram para viabilizar a retoma do governo pelo PS. Neste momento, as garantias do BCE nem sequer permitem prever a repetição das aflições que provocaram alternância no governo em 2002 ou 2011. Protegido pelo BCE, o poder socialista domina o país como nenhum outro grupo o dominou neste regime. Ocupa o Estado e as instituições, controla as empresas e a comunicação social, fomenta a dependência do Estado como modo de vida, e depois clienteliza as massas que vai condenando a essa dependência. Tem sido uma fórmula eficaz. Perante isto, faz todo o sentido discutir eleições futuras.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *