• Ter. Abr 16th, 2024

Serviço de Saúde da Madeira recupera acesso à informação clínica e não clínica dos utentes – Observador Feijoada

ByEdgar Guerreiro

Set 9, 2023

As interligações informáticas dos servidores do Serviço Regional de Saúde da Madeira (Sesaram) aos hospitais e centros de saúde, que permitem o acesso aos dados necessários à informação clínica e não clínica dos utentes, foi restabelecida.

Num comunicado enviado este sábado às redações, o Sesaram salienta que o “restabelecimento destas ligações foi possível devido ao trabalho ininterrupto desenvolvido pelo Núcleo de Informática e Tecnologias que desde o dia 06/08, se empenhou em debelar o ataque informático”.

O ataque informático ao Sesaram foi sinalizado às 08h11 de 06 de agosto, e provocou uma “disfunção na rede informática”, afetando os hospitais e centros de saúde do arquipélago, com bloqueio no acesso aos registos dos utentes.

Na segunda-feira, 07 de agosto, o Serviço Cibersegurança do Governo Regional indicou que o tempo de recuperação do ataque seria “prolongado” e apelou aos utentes para tomarem “cuidados redobrados” no acesso à informação.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O responsável do serviço, Nuno Perry, explicou, nesse dia, que tudo apontava para que os dados clínicos dos utentes estivessem preservados e não que não tinham sido comprometidos, o mesmo não acontecendo com outros dados, nomeadamente ao nível dos números de identificação pessoal.

Nuno Perry disse também que “não foi pedido nenhum resgate”, embora o ataque tenha sido reivindicado pela organização norte-americana Rhysida.

Na sequência do ataque informático alguns médicos pediram escusa de responsabilidade, tendo o secretário regional da Saúde, Pedro Ramos, apelado para que os profissionais não tomassem essa atitude.

Em 11 de agosto, o presidente do Governo da Madeira (PSD/CDS-PP), Miguel Albuquerque, anunciou um reforço de 15 milhões de euros do investimento na cibersegurança do Sesaram, afirmando também que o executivo não pretende “ceder a chantagistas” após o ciberataque.

“Nós não temos qualquer condição, mesmo até do ponto de vista político, ético e moral, para estar a ceder a chantagistas”, disse Miguel Albuquerque na altura, referindo-se a um eventual pedido de resgate por parte dos autores do ataque.

O governante não confirmou se efetivamente foi feito um pedido de resgate, mas referiu-se aos responsáveis como “criminosos ignóbeis que aproveitam esta situação para pedir resgates”, realçando que se trata de “matéria de índole criminal” que foi “entregue às instâncias competentes”.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *