• Ter. Mar 5th, 2024

Rui Costa vence em Lekunberri e conquista primeira etapa na Vuelta – Observador Feijoada

ByEdgar Guerreiro

Set 10, 2023

Quando se olhava para toda a 13.ª etapa da Vuelta, não era complicado de perceber que ali estava mais do que provavelmente a decisão da corrida com mais galos para um só poleiro dos últimos anos. Questão: todos os galos que ficaram no topo eram da mesma equipa, a Jumbo-Visma. E foi por causa desses mesmos galos que outros acabaram por ceder. Remco Evenepoel foi a maior quebra de todas, cedendo mais de 27 minutos para o comboio amarelo da frente. João Almeida teve também um momento de menor capacidade, cedendo 6.47 minutos na etapa e descendo ao décimo lugar da geral. Ainda assim, foi alvo de vários elogios.

“Foi um dia muito duro, desde o quilómetro zero que me encontrava mal. Foi um dia sempre a lutar e a sofrer até à linha de meta. De destacar a ajuda da equipa. Se calhar não se viu, mas tive companheiros que me ajudaram. No fundo todos ajudaram-me, mas dois um pouco mais. Fizemos o possível, nunca atirei a toalha ao chão e ainda há muita Vuelta pela frente. Vamos tentar lutar como equipa pela vitória com o Juan [Ayuso] e [Marc] Soler. Vou ficar um pouco à parte mas vamos dia a dia, tentar fazer um bom trabalho de equipa para alcançar o melhor resultado possível. Esperemos que recupere nos próximos dias da gripe e vou estar ao meu nível normal”, comentou o corredor português após essa chegada ao Col du Tourmalet.

“Estive mal desde os primeiros quilómetros. Estou doente há uns dias, sabia que não estou bem. Continuei a lutar. É assim no ciclismo. Estou doente, dores no corpo, no nariz, febre. É frustrante, porque as coisas estavam a correr bem. Como encontrei energias para acabar a etapa? Sinceramente, não sei. A equipa foi fantástica comigo. Não queria deitar tudo a perder, tentei lutar. Foi provavelmente o pior dia de sempre que tive numa bicicleta. São estes momentos que te definem, que fazem a diferença. É assim. Vitória da Jumbo? Não sabia, porque a determinado momento tirei o auricular, porque não valia a pena. Espero que o Juan [Ayuso] tenha estado na luta. Há muita volta em diante. Nada está perdido ou ganho, vamos lutar. Vou fazer o que puder para ajudar. Se puder ajudar o Juan, vamos lutar pela vitória”, disse ao Eurosport, numa tirada que levou o espanhol Alberto Contador a chamar o português de “Gladiador” e o companheiro de equipa Tadej Pogacar a concordar: “É isso mesmo. O João é o maior lutador que existe”.

A etapa deste sábado com chegada a Larra-Belagua comprovou essa ideia de que são momentos de insucesso que moldam depois aquilo que são os campeões, como se viu na exibição de gala de Remco Evenepoel já sem nada a ganhar que venceu com mais de oito minutos de vantagem em relação aos principais candidatos e na forma como João Almeida, mesmo a pagar ainda a “fatura” física da véspera, chegou integrado entre esse grupo, mantendo a décima posição da geral. A partir de agora, o português seria sobretudo a maior ajuda para Juan Ayuso e Marc Soler na luta ainda por uma posição no pódio mas ao mesmo tempo seria sempre uma possibilidade para tentar lançar em fuga para uma vitória em etapa, como aconteceu no Giro.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Agora, e antes do segundo e último dia de descanso do pelotão, chegava uma etapa com alguma montanha pelo meio entre Pamplona e Lekunberri que dificilmente poderia mexer muito na classificação geral mas que tinha características que permitiam o sucesso de algumas potenciais fugas. Aliás, não demoraram. E enquanto se falava ainda nas possíveis táticas das “Vespas Amarelas” da Jumbo, que tinham Sepp Kuss na frente de Primoz Roglic e Jonas Vingegaard podendo quase escolher quem queriam colocar de vermelho no final, os primeiros ataques começaram a surgir por parte de um nome “conhecido”: Remco Evenepoel.

Após ter estado com Romain Bardet antes da etapa, agradecendo o trabalho que tiveram na véspera para que a fuga pudesse vingar, o belga não demorou a tentar isolar-se e foi seguido numa fase inicial por Andreas Kron e Matevz Govekar. O pelotão não achou particular boa ideia deixar de novo o vencedor da Vuelta em 2022 seguir sozinho na frente, anulando essa tentativa inicial de fuga como faria depois com Kim Heiduk e com Egan Bernal. Entre tantas tentativas de saída, os primeiros 40 quilómetros terminaram com o pelotão a partir em dois grupos com uma diferença de 30 segundos antes da subida a Puerto de Lizarraga, numa contagem de terceira categoria irregular que prometia ainda mais agitar num dia que não seria “calmo”.

Remco Evenepoel voltou a mexer com a corrida na subida, levando 21 corredores consigo num grupo onde foram ainda parar depois nomes como Vingegaard, Marc Soler ou Vlasov, mas a fuga que acabaria depois por imperar após a subida seria diferente, levando nomes fortes mas sem ambições na geral como o português Rui Costa, Lennard Kämna, Santiago Buitrago, Cristian Rodríguez, Jonathan Caicedo, Andrea Vendrame, Einer Rubio, Rudy Molard, Kenny Elissonde, Chris Hamilton, Andreas Kron, Geoffrey Bouchard, Nico Denz e Jimmy Janssens que chegaram a uma vantagem de quase três minutos a 50 quilómetros no final.

O grupo ficaria reduzido apenas a nove elementos (ainda com Rui Costa) fruto de um ataque de Hamilton mas a distância para o pelotão foi-se mantendo mesmo nas zonas mais complicadas de subida e acabou até por subir para quase 3.30 minutos, sendo que no pelotão que começava a certa altura a ser liderado pela Jumbo houve uma queda de Geraint Thomas, corredor da Ineos que no início da etapa tinha avisado que queria despachar-se para ver a estreia de Gales no Mundial de râguebi. Evenepoel, Buitrago, Rubio, Kämna, Costa, Kron, Rodríguez, Hamilton, Janssen e Denz foram os dez corredores que ficaram nos últimos quilómetros, com Janssen a arriscar vir para a frente mas as respostas a serem quase prontas até partir.

Quando Santiago Buitrago saiu, Rui Costa conseguiu colar e a dupla ganhou uma vantagem de cerca de 20 segundos a 13 quilómetros do final, o que poderia permitir uma outra gestão apesar de haver ainda uma descida até à meta tendo em conta que ninguém parecia querer colaborar com Remco Evenepoel para tentar “colar” e fazer a ponte, sendo que Kämna conseguiu antecipar-se e chegar aos dois da frente deixando tudo em aberto para a descida que começou com Buitrago na frente, teve depois Kämna a ganhar mais de 30 metros de vantagem antes de sair da estrada e sofrer mesmo uma queda que provocou um ligeiro atraso até Rui Costa dar o mote com o primeiro ataque e ganhar mesmo num final fantástico onde viu o comboio de Remco Evenepoel aproximar-se, deixou que os outros atacassem e foi de trás para ganhar ao sprint.

Depois de se ter sagrado campeão do mundo em 2013, de ter conseguido três vitórias no Tour entre 2011 e 2013 e de ter somado vitórias na Suíça ou em Madrid, Rui Costa conquistou a primeira etapa da carreira na Volta a Espanha num grande ano de estreia pela Intermaché-Wanty que começou logo com uma vitória na Volta à Comunidade Valenciana após vencer a quinta e última etapa e que teve ainda mais um terceiro lugar na tirada do Alto da Fóia da Volta ao Algarve, onde foi décimo na classificação geral.

Em atualização



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *