• Sex. Dez 1st, 2023

Greve na TSF teve adesão total – Observador Feijoada

ByEdgar Guerreiro

Set 21, 2023

A adesão à greve na TSF foi total, segundo os delegados sindicais, que consideram que isto espelha o sentimento dos trabalhadores na defesa de aumentos salariais, pagamento pontual de vencimentos e na manutenção da direção de Domingos Andrade.

Num comunicado assinado pelos delegados sindicais, pela comissão mista e pelo Conselho de Redação, os trabalhadores, que estiveram em greve 24 horas, reiteram os motivos do protesto, designadamente o pagamento de salários com atraso há dois meses, a falta de resposta nas negociações sobre aumentos salariais e o apoio à direção liderada por Domingos Andrade.

Lembram que, “ao contrário do que diz a administração em comunicado, há dois meses que a empresa paga os salários com atraso em relação à data habitual”.

A falta de pontualidade no pagamento dos vencimentos é uma situação grave uma vez que os trabalhadores podem falhar compromissos assumidos junto dos seus bancos com as consequências que isso acarreta: pagamento de juros por incumprimento”, referem.

Outro dos motivos da greve, a primeira em 35 anos de existência da TSF, é a falta de resposta nas negociações sobre aumentos salariais, que começaram em fevereiro.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Trabalhadores da TSF em greve pela primeira vez em 35 anos

A TSF foi a única marca do GMG [Global Media Group] que não rejeitou a última proposta feita pela administração, em junho, e desde aí não recebeu qualquer resposta”, explicam.

No comunicado, os trabalhadores sublinham ainda o “papel determinante” do diretor Domingos Andrade na mudança de instalações do Centro de Produção do Porto, que consideram “decisivo para a TSF”, e a luta deste responsável “pela melhoria de condições de trabalho (…) e pela criação de meios para assegurar a sustentabilidade da empresa”, sem alienar a independência, imparcialidade e confiança.

Insistem ainda na conduta de Domingos Andrade na “defesa intransigente das competências do Conselho de Redação fixadas por lei”.

Os trabalhadores dizem ainda que apenas souberam por comunicado da saída de Domingos Andrade — que foi substituído por Rui Gomes —, sem que tivesse sido auscultado o Conselho de Redação, que por lei deve pronunciar-se sobre a designação ou demissão do/a diretor/a.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *