• Seg. Abr 15th, 2024

Os ministros porque sim – Observador Feijoada

ByEdgar Guerreiro

Set 24, 2023

Gomes Cravinho nega estar debilitado como ministro com casos da Defesa”. Também  informou que “não é matéria que me tenha ocupado minimamente durante esta semana“. E ainda “que não tive tempo e nem tive suficiente interesse ou preocupação em me dedicar ao assunto, naturalmente porque percebi que não é uma matéria, enfim, muito relevante

A primeira reacção a estas declarações do actual ministro dos Negócios Estrangeiros será concluir que Gomes Cravinho ou está a gozar connosco ou é destituído do mais básico bom senso. Afinal há  meses e meses que se acumulam revelações sobre o estrambólico desempenho de Cravinho à frente da pasta da Defesa. As últimas notícias (que correm sempre o risco de ser rapidamente ultrapassadas por outras ainda mais constrangedoras) revelam que João Gomes Cravinho, enquanto ministro da Defesa, sabia que Alberto Coelho, ex-diretor geral dos Recursos da Defesa, era alvo de dois processos no Tribunal de Contas e apesar disso nomeou-o para a empresa que gere a indústria da Defesa Nacional.

A estranheza com o desempenho de Cravinho como ministro da Defesa começou com as revelações sobre a derrapagem no valor das obras no Hospital Militar de Belém. Quando confrontado  com a quadruplicação dos custos, Cravinho, que entretanto se tornara ministro dos Negócios Estrangeiros, primeiro não se lembrava, depois lembrou-se que sabia (ou alguém lhe lembrou que havia um ofício a lembrá-lo) mas explicou que saber da derrapagem nas despesas não é a mesma coisa que autorizar que essa despesa com derrapagem se realizasse.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *