• Qui. Mai 30th, 2024

ei-lo que regressa, Alek Rein – Observador Feijoada

ByEdgar Guerreiro

Mai 9, 2024

Neste disco, é relatado como a família da personagem emigrou da Alemanha, no final do séc. XIX, para o estado de Montana, nos Estados Unidos. Por lá, através de uma técnica pioneira de dry farming, criou a marca de tabaco Golden Montana. No entanto, Alek revolta-se contra este negócio familiar e torna-se um músico ambulante.

Para criar este traço de personalidade, Alexandre inspirou-se na figura do bardo, um contador de histórias profissional da idade média. “Sou fascinado por este arquétipo, desde os antigos gregos até aos trovadores medievais”, expõe. “Foram pessoas que contribuíram para a transmissão oral da cultura e que fizeram sonharem com muitas histórias”, diz.

É possível ouvir estes elementos em músicas como Spiral of Smoke, que encerra o disco. Onde, ao som da delicada voz do artista e de uma guitarra acústica dedilhada com precisão, ouvimos a história de um confronto entre um herói e um dragão.

Segundo o compositor, estas personagens servem um propósito metafórico para figuras mais reais. “Esta foi a maneira que encontrei para romantizar um encontro entre um polícia e um traficante. Quando canto ‘Such mighty scales on the fish that I’m reeling in’, é a autoridade a falar sobre o poder do criminoso”, revela.

Outra referência que surge nas suas canções é o demónio Murmur. Em Invocation of Murmur, a figura diabólica surge misturada nos canones do rock ‘n’ roll. “A música foi inspirada no filme do Ari Aster, Hereditário, onde existe um demónio chamado Paimon, que está associado a riqueza. Isto fez-me inspirar se existia alguma entidade associada à música e à inspiração. Foi assim que cheguei a Murmur”, explica.

Na letra, é descrito como Alek tentou percorrer o mesmo caminho que o lendário bluesman, Robert Johnson, para vender a sua alma (neste caso, a Murmur) num cruzamento. No entanto, sem sucesso: “I tried to mimic Johnson’s walk to the crossroads / The only thing I found was kids selling cheap drugs”, canta Rendeiro.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *