• Dom. Jun 16th, 2024

Banco Central Europeu reduz taxas de juros pela primeira vez desde 2019

Byadmin

Jun 6, 2024

O Banco Central Europeu baixou as taxas de juro na quinta-feira pela primeira vez em quase cinco anos, sinalizando o fim da sua política agressiva para conter o aumento da inflação.

À medida que a inflação regressou à meta de 2 por cento do banco, as autoridades reduziram as suas três taxas de juro directoras, que se aplicam a todos os 20 países que utilizam o euro. A taxa de depósito de referência foi reduzida de 4% para 3,75 por cento, a mais elevada nos 26 anos de história do banco e onde a taxa tinha sido fixada desde Setembro.

“As perspectivas de inflação melhoraram significativamente”, afirmaram os decisores políticos num comunicado divulgado na quinta-feira. “Agora é apropriado moderar o grau de restrição da política monetária.”

Há provas crescentes em todo o mundo de que os decisores políticos acreditam que as taxas de juro elevadas têm sido eficazes na contenção das economias para abrandar a inflação. Agora, estão a baixar as taxas, o que poderá proporcionar algum alívio às empresas e às famílias, ao tornar mais barata a obtenção de empréstimos.

“A política monetária manteve as condições de financiamento restritivas”, afirmaram os decisores políticos. “Ao atenuar a procura e manter as expectativas de inflação bem ancoradas, isto contribuiu significativamente para reduzir a inflação.”

Na quarta-feira, o Banco do Canadá tornou-se o primeiro banco central do Grupo dos 7 a cortar taxas. Os bancos centrais da Suíça e da Suécia também reduziram as taxas recentemente.

Há mais cautela nos Estados Unidos, onde os responsáveis ​​da Reserva Federal aguardam para estarem mais confiantes de que uma recente série de leituras de inflação teimosas irá terminar. O Banco da Inglaterra abriu a porta para cortes nas taxas, com algumas autoridades dizendo que as taxas poderiam ser reduzidas neste verão.

O corte das taxas do BCE na quinta-feira, o primeiro desde Setembro de 2019, envia um forte sinal de que o pior da crise inflacionária da Europa está firmemente no espelho retrovisor. No final de 2022, a inflação média em toda a zona euro atingiu um pico superior a 10%, à medida que o aumento dos preços da energia se repercutiu nos bens de consumo e serviços, e os trabalhadores exigiram salários mais elevados para atenuar os efeitos do salto nos preços.

Nos últimos anos, o BCE embarcou no seu ciclo mais agressivo de aumentos de taxas. Os decisores políticos aumentaram a taxa de depósito, que é a que os bancos recebem por depositar dinheiro no banco central durante a noite, para 4% em Setembro passado, face aos 0,5% negativos em Julho de 2022.

A inflação na zona euro abrandou para 2,6% em Maio. Durante a maior parte do ano passado, os preços mais baixos da energia ajudaram a reduzir a inflação. A inflação alimentar desacelerou para menos de 3%, face aos mais de 12% de há um ano.

Na quinta-feira, o índice de ações de referência da Europa subiu para um máximo histórico antes do anúncio do corte das taxas, mas apagou alguns dos seus ganhos em meio a sinais de que o banco seria cauteloso quanto a futuros cortes nas taxas.

O banco central alertou que ainda havia sinais de fortes pressões sobre os preços, o que significaria que a inflação permaneceria acima da meta de 2% “até o próximo ano”. A taxa de inflação global deverá atingir uma média de 2,2% no próximo ano, acima da projecção do banco há três meses.

As autoridades enfrentam um desafio de equilíbrio. Por um lado, os decisores políticos pretendem cortar as taxas de juro em tempo útil, para que as taxas elevadas não causem danos excessivos à economia, o que poderia levar a inflação a cair abaixo do seu objectivo. Por outro lado, não querem flexibilizar a política demasiado cedo, o que poderia provocar o ressurgimento das pressões inflacionistas.

Na quinta-feira, os especialistas do BCE previram que a economia da zona euro cresceria 0,9 por cento este ano, elevando a previsão de 0,6 por cento há três meses.

Christine Lagarde, a presidente do BCE, dará uma conferência de imprensa mais tarde em Frankfurt, e os investidores e analistas estarão atentos à procura de pistas sobre o ritmo futuro dos cortes nas taxas.

“O conselho do governo não está se comprometendo previamente com uma trajetória de taxa específica”, afirmou o banco no comunicado.

Source link

By admin

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *