• Sex. Jun 21st, 2024

Saratoga Springs sediará Belmont Stakes em meio a mudanças nas corridas de cavalos

Byadmin

Jun 7, 2024

Em 1863, John (Old Smoke) Morrissey, vendo uma promessa em uma cidade do interior do estado com fontes naturais e acesso aos ricos e imprudentes de Nova York a Boston, realizou a primeira corrida em Saratoga Springs. O currículo de Morrissey prenunciava sua visão: Old Smoke era campeão de boxe, gangster, dono de cassino, jogador e futuro congressista dos Estados Unidos.

Desde então, jogadores de cavalos de todo o mundo fizeram de Saratoga uma estadia de verão, sabendo que suas almas, seus fígados e suas contas bancárias certamente sofreriam por causa dos acontecimentos na pista.

O passado de Saratoga sempre esteve ligado ao seu futuro. A Batalha de Saratoga foi fundamental para a Revolução Americana. A batata frita nasceu aqui. E um cavalo chamado Upset deu ao imortal Man o’ War sua única derrota em 22 corridas, dando à pista de corrida mais antiga do país o apelido de: Cemitério dos Campeões.

No sábado, quando 10 cavalos se alinharem para a 156ª corrida das Estacas Belmont, a história e a esperança estarão ligadas mais uma vez. A pista mais célebre da América acolhe a terceira etapa da Tríplice Coroa, numa altura em que o progresso em termos de segurança e o aumento do investimento de capital parecem estar a melhorar as perspectivas de um desporto antigo e desgastado.

A mudança foi necessária devido a uma reforma e modernização de US$ 455 milhões em Belmont Park, uma grande e antiga pista de corrida em Long Island, que está programada para reabrir em 2026. Mas também oferece a oportunidade de encerrar o que tem sido uma Tríplice Coroa emocionante e sem vítimas. série com uma nota graciosa.

Nesta época do ano passado, isso era difícil de imaginar. Na esteira de um escândalo de doping que levou mais de 30 pessoas à prisão e da falha no teste de drogas e da desqualificação de um ex-vencedor do Kentucky Derby, uma dúzia de cavalos sofreram ferimentos fatais nos dias próximos ao Derby. Duas semanas depois, na eliminatória do Preakness Stakes, outro potro foi sacrificado na pista, minando ainda mais a confiança do público na segurança e integridade das corridas de cavalos.

“Este é um grande palco e uma oportunidade de mostrar o poder dos grandes eventos nas corridas”, disse David O’Rourke, executivo-chefe da New York Racing Association. “Esta pode ser a nossa joia polida, mas também é uma oportunidade de mostrar como o esporte das corridas de cavalos está evoluindo.”

Para comemorar a 150ª edição do Kentucky Derby deste ano, Churchill Downs revelou um paddock de US$ 200 milhões que era muito mais do que um ringue de sela. Suítes luxuosas, assentos reservados e bares, até mesmo um bar clandestino, fazem parte de seu design, tornando um dia de corrida um evento de hospitalidade obrigatório para os grandes apostadores. Ajudou a atrair a maior audiência televisiva da corrida desde 1989: a audiência média da transmissão da NBC foi de 16,7 milhões, um aumento de 13% em relação aos 14,8 milhões do ano passado.

No mês passado, o governador Wes Moore, de Maryland, assinou um projeto de lei aprovado pela Assembleia Geral do estado que reservou US$ 400 milhões em títulos estaduais para reconstruir o Hipódromo de Pimlico, sede do Preakness. Em Keeneland, outra das principais pistas de corrida da América, em Kentucky, uma reimaginação de seu paddock, avaliada em US$ 93 milhões, está em andamento para expandir as opções de restaurantes e passeios.

“Nosso esporte está tomando as medidas que os grandes esportes tomam para provar que merecem um lugar no cenário mundial”, disse Shannon Arvin, executivo-chefe da Keeneland, que tem sede em Lexington e também é uma empresa de leilões.

Décadas atrás, Red Smith homenageou Saratoga como o Brigadoon de um jogador de cavalos com uma resposta improvisada a uma pergunta simples: como você chega lá?

“Você dirige para o norte por cerca de 280 quilômetros, vira à esquerda na Union Avenue e volta 100 anos”, escreveu o colunista esportivo vencedor do Prêmio Pulitzer.

Casas vitorianas envoltas em tons pastéis e cercadas por varandas envolventes evocam a atemporalidade de Saratoga – ou Spa, como é comumente conhecido. Cavalos de corrida atravessam a Union Avenue todas as manhãs a caminho da pista, onde a neblina sobe pela manhã e os envolve enquanto eles circulam como se estivessem deslizando nas nuvens.

Nos últimos anos, no entanto, o Hipódromo de Saratoga passou por uma reforma sutil, mas totalmente moderna. Embora as mesas de piquenique ainda ancoram o quintal para os apostadores e excursionistas que carregam refrigeradores de US$ 2, a associação de corridas gastou US$ 113 milhões desde 2016 criando várias opções de experiência na esperança de que se torne um destino para uma variedade maior de fãs de esportes.

O 1863 Club (US$ 32,9 milhões), por exemplo, oferece refeições requintadas e um ambiente descolado para quem tem cavalos ou para quem finge ser. O Post Bar e o Paddock Suite (US$ 3,6 milhões) hospedam eventos corporativos. O Finish Line Bar and Grill (US$ 1,7 milhão) atrai o público que gosta de shots e cervejas.

Juntamente com as renovações, a associação de corridas aproveitou o que O’Rourke chama de “propriedade intelectual” e, em 2016, lançou o seu próprio site de apostas online, NYRA Bets. Ao mesmo tempo, colaborou com a Fox Sports no “Saratoga Live”, resultando em 80 horas de cobertura ao vivo. A cobertura da rede sobre corridas de cavalos tem crescido a cada ano desde então. Em 2023, transmitiu 934 horas de corrida – 225 delas de Saratoga – e as Estacas Belmont pela primeira vez.

Ambas as apostas estão valendo a pena.

Desde que as atualizações começaram em Saratoga, o encontro anual de julho até o Dia do Trabalho ultrapassou um milhão de participantes, excluindo 2020, quando foi fechado ao público durante a pandemia. A média diária de público do ano passado, de 27 mil pessoas, no encontro de 40 dias, tornou-o um dos locais esportivos mais frequentados de Nova York, superando as datas em casa dos Knicks, dos Rangers e dos Bills.

Melhor, o aumento da cobertura televisiva e a expansão das apostas NYRA em novos mercados aumentaram as receitas. Em 2016, foram apostados US$ 306 milhões na plataforma; no ano passado, esse número aumentou 127%, para US$ 695 milhões. E apesar de menos 32 dias de corrida, o valor total apostado em Aqueduct, Belmont e Saratoga no ano passado aumentou para mais de US$ 2,2 bilhões.

A pista não ficou imune aos problemas enfrentados pela indústria em geral. No verão passado, 13 cavalos sofreram ferimentos fatais em Saratoga – dois deles na linha de chegada de corridas de apostas transmitidas pela televisão nacional. Há semanas, veterinários estaduais têm trabalhado ao lado de colegas da Horseracing Integrity and Safety Authority, a agência reguladora federal, para examinar cavalos e registros médicos. O objetivo é garantir que apenas competidores sólidos cheguem à largada.

“A HISA tem um ano sob controle”, disse O’Rourke, referindo-se ao regulador. “Temos mais corpos aqui. Todos estão focados.”

Para Chad Brown, treinador do favorito das 9h às 17h, Serra Leoa, esta edição do Belmont Stakes oferece uma oportunidade para ele e para o esporte em geral. Brown foi nomeado treinador campeão quatro vezes, mas está em busca de sua primeira vitória no Belmont Stakes.

“Poderia ser realmente enorme para nós”, disse Brown sobre um possível triunfo em Serra Leoa.

Mas ele também sabe que há riscos maiores. Brown cresceu nas proximidades de Mechanicville, NY, e vive o máximo que pode em Saratoga. Ele sai naquela neblina quase todas as manhãs e conhece os encantos do Spa. Ele está ansioso para que um novo público caia no feitiço de sua cidade, de seu esporte.

“Eu comecei a gostar de corridas de cavalos apenas por ir ao Hipódromo de Saratoga com minha família”, disse Brown. “Acho que todos estão realmente prevendo que este será um fim de semana histórico e emocionante.”

Source link

By admin

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *